Profissional deve focar vocabulário na área
de atuação e, sobretudo, manter naturalidade

Saiba encarar entrevistas em inglês

FREE-LANCE PARA A FOLHA

O profissional cita no currículo que é fluente em idiomas. Com o selecionador, porém, não consegue sequer manter um diálogo básico. A situação é tão comum que algumas empresas estão fazendo as entrevistas de seleção em inglês, sobretudo quando a vaga exige contatos com clientes ou companhias estrangeiras.
A necessidade de comunicar em inglês é requisito para quase todos no BankBoston, pois os executivos têm de se reportar frequentemente à matriz, que fica nos Estados Unidos, afirma Denise Moreira Asnis, 36, diretora-adjunta de RH (recursos humanos). "Os estagiários do banco, por exemplo, devem ter comprovado, no mínimo, um nível de conhecimento intermediário", observa.
Vivian Maerker Faria, 26, consultora da Trust Executive Search, afirma que tem se deparado com muitos executivos jovens despreparados para enfrentar essa exigência. "O vocabulário que conhecem não é focado no campo de atuação profissional. Faltam prática e domínio", afirma.
Inglês coloquial geralmente não é suficiente para uma entrevista de emprego, na opinião da consultora Sheila Martinez, 32, da Kienbaum, Böge e Consultores. "É necessário um aprofundamento no inglês técnico e no vocabulário da linguagem corporativa."

Espontaneidade
Uma outra dica é conhecer bem a empresa para a qual está se candidatando. "Deve-se visitar o site da companhia na internet e estudar seu ambiente de negócios."
Até mesmo a nacionalidade do grupo pode influir na entrevista. "Empresas de culturas distintas aceitam diferentes posturas por parte do entrevistado", diz Sueli Monteiro, 39, diretora-presidente do Lynx Language Institute.
"Companhias americanas valorizam a objetividade, segundo a máxima "time is money" (tempo é dinheiro, em português). Nesse caso, o candidato deve se preocupar em entender bem a pergunta e ser ágil e preciso na resposta. Já as companhias japonesas tendem a ser mais formais", afirma.
Os especialistas em recolocação lembram que é fundamental demonstrar naturalidade. "A mensagem deve ser transmitida com sucesso", diz Vivian Maerker.
(EDSON VALENTE)  Fonte- Folha On Line 11.05.2001

Candidato não precisa dar "show" de fluência

FREE-LANCE PARA A FOLHA

Para quem teme uma entrevista de emprego em inglês, David Goldich, 35, da consultoria de idiomas Paradigm Language Support, aconselha: "Fale para se expressar, não para impressionar".
O executivo Osvaldo Martins chegou a recorrer a um curso de preparação para entrevistas desse tipo. "Expor as qualificações em menos de uma hora, diante do entrevistador, é bem diferente de uma reunião de negócios ou uma conversa em inglês", afirma.
É importante lembrar que os cursos de preparação rápida requerem do aluno um conhecimento prévio do idioma, ao menos em nível intermediário.

Folha On Line  15.05.2001