UNIVERSIDADES APOSTAM EM CURSOS PARA

ALUNOS DE DIVERSAS ÁREAS

 

Os cursos dirigidos à formação dos gerenciadores de projeto no país estão crescendo na medida em que os profissionais estão descobrindo a amplitude das áreas de atuação dessa profissão. 

Na USP, o MBA oferecido pela FIA em administração de projetos, que começou em 2001, já está formando duas turmas por ano. No total, os alunos têm que freqüentar 400 horas de aulas. Quem realizar o curso ainda poderá optar por fazer um módulo complementar de uma semana no Bentley College, escola de negócios sediada em Boston, nos Estados Unidos.

O professor Roberto Sbragia, responsável pelo curso, diz que o perfil de quem procura esse MBA está mudando. “É uma área em grande expansão”, diz. Uma pesquisa realizada com os alunos mostra que 35% deles vêm da área de engenharia, 25% do setor de Tecnologia da Informação; 20% do setor de desenvolvimento de novos produtos e processos e 15% de várias áreas distintas. “A profissão está saindo do elitismo dos anos 70, quando o gerenciador de projetos era usado apenas em grandes empreendimentos como a construção de um  foguetes”, explica.

O professor Carlos Salles, responsável pelo MBA em gerência de projetos do FGV Management, setor responsável pela área de ensino executivo da fundação, diz que já formou 850 profissionais. O curso foi lançado em 2001 pela Escola de Pós-Graduação em Economia (EPGE) da Fundação Getulio Vargas do Rio de Janeiro. “As organizações estão em um ambiente altamente competitivo e precisam de gente capaz de administrar projetos em todos os níveis”, diz.

As fundações também passaram a oferecer curso nesta área. A Dom Cabral inclui a gestão de projetos como uma especialização do curso de pós-graduação. Já a Fundação Vanzolini, possui um dos cursos de especialização mais antigos da área, tendo formado a primeira turma em l998. Ele tem 432 horas e foca, como a maioria dos outros cursos, as chamadas nove áreas de atuação do gerente de projeto: gestão de prazos, custo, qualidade, escopo, riscos, suprimentos, recursos humanos, comunicação e integração. O professor Luis Cesar de Moura Menezes, diz que na prática o bom gerenciador é aquele que além de dominar as ferramentas técnicas tem um bom trânsito político na empresa.(S.C.)

Mais informações nos sites:

www.pmi.org.br; www.mbatec.fgv.br;

www.domcabral.org.br/projetos.asp;

www.fia.com.br/mba;

www.vanzolini.org.br/cursos/cegp

 

Jornal Valor Econômico - SP - Seção: Eu & Carreira - pg. D4 - 20/01/2003