Inscrições para o Prêmio Balanço Social vão até 30 de julho


Clarissa Wahl

Termina no próximo dia 30 de julho o prazo de inscrições para o Prêmio Balanço Social, que seleciona e premia empresas que publicaram os melhores relatórios sociais. A cerimônia de premiação acontece no dia 30 de setembro, em São Paulo.
A terceira edição do prêmio deve reunir cerca de 170 empresas, segundo estimativa do assessor de assuntos de responsabilidade social da Associação dos Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais (Apimec), Roberto Gonzales.
O balanço social está sendo cada vez mais aceito pelas empresas como ferramenta de transparência, diálogo com a sociedade e responsabilidade social corporativa. “Um bom balanço não deve ter função de marketing ou ter pouca função informativa. Ao contrário, deve agregar valor ao leitor”, afirma Gonzales.
O prêmio foi instituído recentemente, segundo o assessor da Apimec, em função da demanda da sociedade em geral e das próprias estruturas empresariais, que têm apoiado e respeitado mais as organizações que, além de anunciarem seus ganhos em balanços transparentes, mostram que adotam princípios e ações de responsabilidade social.
Erros e acertos
Entre os principais erros que as empresas estão acostumadas a cometer em seus balanços, segundo Gonzales, está o fato de não levarem em consideração os relatórios do ano anterior no momento de preparar o atual, não permitindo ao leitor comparar números e informações.
Outra constatação é que essas corporações tendem a não enviar o balanço para auditoria antes de sua publicação. “É imprescindível a auditoria tanto dos números quanto das informações”, avisa.
O prêmio, que é coordenado pela Aberje, Apimec, Instituto Ethos, Fides e Ibase, avalia três características que, segundo Gonzales, são fundamentais para se construir um bom balanço social corporativo.
A primeira seria a capacidade do relatório em espelhar com fidelidade a gestão da empresa.
A transparência e o comprometimento da alta administração da empresa com o que está sendo transmitido no balanço também seria importante. “É bom que esse relatório traga uma mensagem do presidente da empresa ou de algum executivo superior, transmitindo ao leitor a certeza de que aquele documento está sendo avalizado pelos dirigentes da entidade”, sugere o assessor.
Uma boa diagramação e clareza textual também ajudam na escolha dos premiados, uma vez que se deve ter em conta que tais documentos nem sempre são lidos por profissionais de contabilidade ou executivos de finanças. “O balanço deve trazer informações claras e de fácil compreensão”, diz.
Para a gerente executiva da empresa finalista do prêmio em 2002, Luciana Paschoalin, da Editora Palavra Mágica , a premiação resultou em fornecedores mais parceiros e clientes mais fiéis. “O importante é a empresa mostrar que quer ter um vínculo social sólido”, afirma ela.
O balanço social é uma ferramenta de transparência, diálogo e responsabilidade social corporativa
Fonte: DCI 07/07/04