O curso, uma parceria entre a Casa do Saber e a Pinacoteca do Estado de São Paulo, busca o entendimento de uma arte brasileira desde suas origens no final no século 16 até o fim do século 19 e início do século 20, e os primórdios de uma arte dita modernista. Dentro dessa linha histórica será identificado um imaginário nacional – entendido como o conjunto de imagens, símbolos e atributos representativos do povo brasileiro, assim como sua maneira de viver – e seus momentos cruciais de modificação para a definição de parâmetros de uma cultura local. Serão contempladas as diversas versões de Brasil que emergem da obra dos artistas nascidos e/ou estabelecidos aqui, que registraram o país e seus habitantes e criaram representações do mesmo, assim como a cultura material a eles associada e/ou derivada deles. O intuito do curso é fornecer uma pequena introdução ao processo da constituição deste imaginário brasileiro, começando com obras que formaram o alicerce visual do descobrimento, passando pelo conjunto de imagens de cunho costumbrista presente no trabalho de Jean Baptiste Debret e Henry Chamberlain, e culminando nas pinturas de Almeida Júnior. O curso também traçará a criação dos mitos nacionais em forma visual e suas origens na literatura e na história.
4 encontros | terças-feiras, das 20h às 22h
5/3 1. A visão europeia do Brasil e o período colonial
12/3 2. A Academia Imperial de Belas Artes
19/3 3. O fim do século 19 e o Modernismo
26/3 4. Visita à exposição do acervo da Pinacoteca do Estado de São Paulo

Quando: 5/3 a 26/3
Quanto:
R$ 260 na inscrição
+ 1 parcela de R$ 260
 


Giancarlo Hannud

é bacharel em Artes Plásticas pela Slade School of Fine Art e mestre em História Cultural e Intelectual pelo Warburg Institute, de Londres. É curador da Pinacoteca do Estado de São Paulo e atuou como assistente de curadoria nas bienais de Veneza (2009) e de São Paulo (2008), além de ser autor de inúmeros artigos em publicações de arte nacionais e internacionais.

O curso analisa cinco gênios da arte e tenta desvendar, na obra de cada um, o processo criativo desde o momento em que surge uma ideia, sua concepção e realização e, por fim, o quadro que causa espanto ao longo dos anos. Os encontros desvendam não apenas um pouco da história da arte através destes nomes, mas os processos criativos e da concepção de algo novo em geral.
5 encontros | terças-feiras, das 20h às 22h
5/3 1. Ticiano e a maturidade da cor
12/3 2. Caravaggio e o Barroco do real
19/3 3. Van Gogh e o retorno da linha
26/3 4. Mondrian e o clássico sem figura
2/4 5. Pollock e o mundo da pintura dinâmica

Quando: 5/3 a 2/4
Quanto:
R$ 216 na inscrição
+ 2 parcelas de R$ 217
 


Leandro Karnal
é doutor em História Social pela USP.