BEM-VINDO ÀS BOLSAS DE ESTUDO

Descubra onde encontrar um patrocínio para os seus planos de estudo ou de pesquisa no Brasil e em outros países

Você sabe que não pode parar de estudar, só que lhe faltam o tempo para se dedicar a um curso e, pior, dinheiro. Então já deve saber que uma bolsa de estudo pode ser a saída. Mas será que tem a noção de qu muitas entidades que oferecem esse incentivo consideram o número de interessados até menor do que gostariam?

Vários programas de bolsa de instituições oficiais, organizações  não-governamentais e empresas  privadas são ainda  pouco conhecidos dos potenciais candidatos.

Sorte do médico otorrinolaringologista e professor da PUC-SP (Pontifícia Universidade Católica) Gilberto Gattaz, 49, que conseguiu diversas bolsas de estudo e de pesquisa no exterior. “Já fui bolsista duas vezes pelo Daad (Serviço Alemão de Intercambio Acadêmico), além de ter recebido auxílio de varias instituições  como Capes, CNPq e Fapesp”, diz.

Para Rita Meyer, 50, do Daad, é difícil quantificar a concorrência, mas “as chances são grandes”.

“Oferecemos cerca de 400 bolsas por ano para cursos na Alemanha, sem contar projetos de pesquisa. Mesmo assim, a demanda poderia ser maior, se os interessados realmente nos procurassem”.

A concorrência não chega a parecer assustadora. Nos programas do Conselho Britânico, costuma ser de dez candidatos por vaga - um décimo do registro na carreira mais disputada da Fuvest, publicidade e propaganda, com 103,1 concorrentes/vaga.

Maratona

Apesar disso, não é fácil chegar lá, segundo Sandra Faia, 31, assistente de educação do conselho. “É  uma maratona para os candidatos, que têm de passar por pré-seleção, entrevistas e seleção final em Brasília”. Neste ano, o Conselho Britânico oferece 90 bolsas.

“Passei oito meses estudando muito, todas as noites após o trabalho”, diz o ex-bolsista Wagner Daraia Rocha, 37, que fez mestrado em ciências na área de combustão e engenharia na Universidade de Leeds(Inglaterra).

Lissa Collins, 30, ganhadora de uma bolsa da Fundação Estudar para cursar administração na PUC-RJ, diz que o esforço compensa. “Meus pais não podiam pagar um bom curso. Por isso o apoio foi fundamental”, conta.

Incentivo extra faz bem ao bolso e à carreira

Com a exigência do mercado de trabalho, a procura por bolsas de estudo tem crescido anualmente na maioria das instituições.

“Somente para doutorados, esperamos aumento de 10% no número de bolsas concedidas, refletindo a expansão dos cursos e da quantidade de alunos de pós no país”, estima Felizardo Penalva da Silva, 59, diretor do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Cientifico e Tecnológico).

O conselho concede mais de 11 mil bolsas de estudo para mestrado e doutorado todos os anos.

Para muitos profissionais, essa é a única saída para crescer. É o caso de Fábio Romão Prieto, 35, que recebeu do Conselho Britânico uma bolsa para pós-graduação na Escócia, onde estudou dois anos.

“Estava estagnado na carreira e sabia que não iria longe sem a pós.  Hoje tenho um cargo gerencial, que devo à bolsa, já que  jamais teria condições de pagar o curso.”

“Há muitas pessoas brilhantes que só esperam uma chance”, diz Ilona Becskeházy, 35, superintendente da Fundação Estudar.

A entidade oferece bolsas principalmente para MBA no exterior e tem como um dos critérios a condição financeira do estudante.

“Vários bolsistas vieram de condições muito restritas e hoje têm boas perspectivas, restituindo a entidade tudo o que receberam.”

O estudante da fundação assina um termo de compromisso “moral” para devolver o que lhe foi oferecido, por meio da doação de 10% da renda  mensal bruta, destinada a um fundo de manutenção das bolsas. “Mesmo sem obrigatoriedade, a maioria ajuda”, diz.

Foi o que aconteceu com Sérgio Leme, 29, que ganhou uma bolsa do Instituto Ling e hoje faz mestrado em administração em Londres. Antes de terminar o curso, recebeu proposta de uma consultoria, onde começa a trabalhar em julho. “Sem a bolsa, não estaria aqui. Por isso, com o bônus que recebi  antecipadamente da empresa, a primeira coisa que fiz foi restituir ao instituto tudo o que investiu em mim”, afirma.

Auxílio também vem de empresas privadas

Continuar estudando nunca foi tão fácil. Pelo menos, na teoria. Com a globalização e o conseqüente aumento da competitividade, mesmo aqueles que não conseguem uma bolsa de estudo em uma instituição tradicional, como a Capes e o CNPq, têm boas chances de obter auxílio em um local  ainda mais acessível: na própria empresa em que trabalham.

Buscando melhorar o desempenho dos funcionários, é cada vez maior o número de companhias que oferecem programas de desenvolvimento profissional por meio de financiamento de cursos.

“Muitas empresas, principalmente multinacionais e brasileiras de grande porte, concedem benefícios aos bons profissionais”, diz a presidente da DPS Consult, Adelaide Du Plessis, 37.

Exemplo disso é a Eli Lilly do Brasil, da área farmacêutica, que oferece reembolso de 50% a todos os funcionários que fazem de supletivos a pós-graduação, sem restrições. “Para isso, a empresa investe cerca de R$ 500 mil anualmente, beneficiando cerca de 120 funcionários. Metade faz cursos de pós”, calcula Elita da Cruz, 41, supervisora de benefícios.

Outra empresa que investe nos estudos dos funcionários é a Deloitte Touche Tohmatsu. “Pagamos 50% dos cursos de extensão universitária e ainda procuramos flexibilizar o horário de trabalho para que os colaboradores possam estudar adequadamente”, afirma José Roberto Pinto Carneiro, 45, sócio-diretor de RH.

Com a facilidade, o gerente de auditoria da empresa, Valdir Jorge Mompean, 34, conseguiu “patrocínio” para um mestrado em finanças e contabilidade na PUC-SP (Pontifícia Universidade Católica). “É uma chance de conciliar experiência e conhecimento.”

Bolsista segue objetivos da companhia

Não se pode pensar que basta ter vontade de estudar para conseguir ajuda da empresa.

“Avaliamos o verdadeiro potencial de quem solicita”, explica Wilson Gambirazi, 49, gerente de desenvolvimento organizacional da Pfizer, que, de acordo com o plano de carreira traçado para o funcionário, pode pagar até 100% do curso.

Para o consultor de desenvolvimento organizacional da Siemens do Brasil, Tácito Pinto, 46, o importante para conseguir o auxílio é saber casar os interesses da empresa com a pós-graduação almejada.

“Não adianta querer fazer mestrado em uma área fora do escopo da companhia”. A Siemens dá 80% de reembolso ao funcionário. Hoje há cerca de 300 cursando pós “lato sensu” ou “stricto sensu” (mestrado e doutorado) com o programa.

Quem quer fazer mestrado ou estudos de cunho mais acadêmico pode encontrar outra dificuldade. “Excetuando algumas empresas da área tecnológica e científica, a maioria prefere patrocinar MBA”, diz o consultor Laerte Cordeiro, 70.

Para a diretora de RH da KPMG, Cristina Bonini, 37, “dependendo do caso, os contatos acadêmicos e a profundidade dos estudos feitos pelo funcionário são até mais importantes para a empresa”.

Quem oferece bolsas de estudo e de pesquisa (Para cursos no Brasil e no exterior)

Alexander von Humboldt Foundation (AvH)
Bolsas oferecidas: para pesquisadores estrangeiros (pós-doutorado) na Alemanha, em diversas áreas, principalmente em ciências humanas, saúde e ambiente.
Informações: www.humboldt-foundation.de

Câmara Americana (Amcham International Fellowship Program)
Bolsas oferecidas: mestrado em diversas áreas, nos Estados Unidos, em especial para tecnologia
Informações: www.amcham.com.br -  advising@alumni.org.br

Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior)
Bolsas oferecidas: Mestrado, doutorado e pós-doutorado, no Brasil e no exterior.
Informações: Tel. 61 - 410-8806 site:  www.capes.gov.br

Cendotec (Centro Franco-Brasileiro de Documentação Técnica e Cientifica)
Bolsas oferecidas: para pesquisa de pós-doutorado na França
Informações: sites: www.cendotec.org.br

CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico)
Bolsas oferecidas: de iniciação cientifica a pós-doutorado, no Brasil e no exterior.
Informações: Tel. 0800 - 61-9697 site:  www.cnpq.br

Cimo (Center for International Mobility)
Bolsas oferecidas: auxílio para docentes universitários e pesquisadores de pós-graduação na Finlândia
Informações: site:  www.cimo.fi   -  e-mail: cimoinfo@cimo.fi

Comissão Fulbright
Bolsas oferecidas: “mestrado-sanduíche” (realizado parte no exterior e parte no Brasil) em educação (mídia) ou comunicação (jornalismo).
Informações: Tel. 61 - 364-3824 E-mail: fulbright@brnet.com.br

Conselho Britânico (The British Council)
Bolsas oferecidas: para MBA no Reino Unido em diversas áreas, exceto artes e línguas.
Informações: Tel. 11 - 3038-6950 - Sites: www.educationuk.org.br e www.britishcouncil.org/brazil

Consulado Geral do Japão
Bolsas oferecidas: mestrado e doutorado no Japão para brasileiros em várias áreas, como arquitetura, enfermagem, direito e música. Também oferece bolsas para graduação e para professores dos ensinos fundamental e médio.
Informações: Tel. 11 - 287-0100 das 14 às 17 horas

Consulado Geral da Suíça
Bolsas oferecidas: o governo suíço oferece bolsas de especialização para brasileiros em diversas áreas, desde que prioritárias ao desenvolvimento econômico do país (excluem-se , por exemplo, bolsas na área artística)
Informações: site: www.admin.ch/bbw/e/bildung/eskas.html

Crub (Conselho de Reitores das Universidades Brasileiras)
O que faz: divulgação de bolsas para pós-graduação oferecidas por entidades nacionais e estrangeiras.
Informações: www.crub.org.br

Daad (Serviço Alemão de Intercâmbio Acadêmico)
Bolsas oferecidas: doutorado, pós-doutorado e especialização na Alemanha para brasileiros. As bolsas são para diversas áreas do conhecimento.
Informações: site: www.daad.de/rio

Embaixada da Argentina no Brasil - Programa Mutis
Bolsas oferecidas: mestrado e especialização em universidades argentinas, para diversas áreas, como medicina, economia, agronomia e ciência da computação.
Informações: sites: 
www.me.gov.ar/becas e  www.ses.me.gov.ar/paies

Embaixada da Austrália
Bolsas oferecidas: mestrado e doutorado com pesquisa acadêmica. As bolsas, proporcionadas pelo governo da Austrália, devem ser solicitadas diretamente nas universidades australianas.
Informações: site:  www.embaixada-australia.org.br

Embaixada da Áustria
Bolsas oferecidas: trabalhos de pesquisa ou estudos de doutorado. As bolsas são proporcionadas pelo governo austríaco em todas as áreas, exceto ciências humanas (línguas), teologia e artes.
Informações: Tel. 61 - 443-3111

Embaixada do Canadá
Bolsas oferecidas: vários programas, incluindo bolsas para docentes e doutorandos para pesquisa de tese. Interessados devem entrar em contato diretamente com as universidades canadenses.
Informações: site:  www.iccs-ciec.ca

Embaixada da Itália
Bolsas oferecidas: somente pós-graduação para brasileiros que desejam realizar cursos de especialização e doutorados em pesquisa, em todas as áreas.
Informações: acadêmicas (www.murst.it); formulários (www.esteri.it) gerais (61- 442-9900)

Embaixada de Portugal
Bolsas oferecidas: para pesquisadores em nível de mestrado e doutorado, além de cursos de especialização, notadamente para o estudo da língua e da cultura portuguesas.
Informações: site:  www.instituto-camoes.pt -  telefone 61-321-3434.

Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo)
Bolsas oferecidas: de iniciação cientifica e  pós-doutorado, no Brasil e no exterior.
Informações: site:  www.fapesp.br - telefone 11 - 3838-4000.

Fundação Alexander S. Onassis
Bolsas oferecidas: para professores, doutores e estudiosos da cultura grega que queiram estudar na Grécia, em diversas áreas, como ciências humanas e políticas, direito, arquitetura e artes (inscrições somente para o programa de 2002)
Informações: pelo e-mail: pubrel@onassis.gr  ou pelo site: www.onassis.gr

Fundação Estudar
Bolsas oferecidas: mestrado em administração no Brasil, MBA nos Estados Unidos ou na Europa e direito nos Estados Unidos
Informações: somente pelo site www.estudar.org.br , inclusive para inscrições

Fundação Internacional Matsumae
Bolsas oferecidas: para doutores estrangeiros que queiram realizar pesquisa nas áreas de ciências naturais, engenharia e medicina, no Japão
Informações: site: www.mars.dti.ne.jp/”mif

Guggenheim Memorial Foundation
Bolsas oferecidas: para pesquisa e criação artística em qualquer país
Informações: pelo site  www.gf.org/portug.html

Hubert H.Humphrey Fellowship Program
Bolsas oferecidas: de aperfeiçoamento profissional nos EUA, em várias áreas, como administração, economia e jornalismo
Informações: pelo site: www.iie.org/pgms/hhh

Instituto Ling
Bolsas oferecidas: “MBA full-time” no exterior, principalmente nas universidades norte-americanas, bem conceituadas
Informações: somente pelo e-mail: instituto.ling@petropar.com.br

Ministério das Relações Exteriores
O que faz: divulga informações sobre bolsas de estudo oferecidas por organismos internacionais, órgãos estrangeiros públicos e privados e agências estrangeiras de fomento ao desenvolvimento
Informações: pelo site: www.cer.mre.gov.br

Rotary Club
Bolsas oferecidas: mestrado em diferentes áreas fora do país
Informações: pelo site: www.rotary.org.br

WWF-Brasil - Programa Natureza e Sociedade
Bolsas oferecidas: apoio à pesquisa de mestrado e doutorado em ambiente
Informações: pelo site: www.wwf.org.br

Fonte: Folha Classificados -SP - Caderno Empregos - Págs. 1 a 3 - 25/3/2001