SEM NOÇÃO

 Insensato já começa em desvantagem

A lista é longa; há candidatos que enviam poesias na carta de apresentação, citam todo tipo de hobby, como mergulho e culinária, para mostrar qualidades e até imploram o emprego. Mas Dario Guimarães, 34, coordenador da Across Recursos Humanos, explica: “Existe uma linha tênue entre o adequado e o impróprio”.

No caso dos currículos, o limite não separa apenas o ‘belo’ do ‘feio’, mas define quem fica na disputa pela vaga. “Se for muito destoante, o próprio candidato se descarta”, diz a consultora Maria Aparecida Lopes, 37, da Manager.

Pensar bem antes de fazer o currículo, agir com naturalidade na seleção e mostrar a qualificação como maior diferencial são dicas valiosas para saber se o sorriso que o selecionador deu no final da entrevista é só sinal de que realmente aprovou seu desempenho.

Candidatos exageram e perdem vaga por pura falta de bom senso

Mais do que deficiência na qualificação, um outro critério, até bem simples, tem eliminado logo de cara um grande contingente de candidatos a emprego: a falta de bom senso.

Tentativa de mostrar criatividade, falta de conhecimento sobre o processo seletivo, desespero para conseguir uma vaga, ingenuidade. São variadas as razões. E isso não depende do nível do cargo. Há desde estagiários até gerentes e diretores enquadrados nesse   problema.

 A Folha reuniu, diretamente com consultores, alguns desses casos, todos verídicos (veja a seguir) para ilustrar o que é considerado exagero e o que pode ser fatal durante a seleção.

Um dos pontos mais lembrados pelos psicólogos foi o da facilidade de errar quando o profissional encaminha uma foto com o currículo. Há exemplos de candidato de costas, de profissional em poses insinuantes, de executivo agachado próximo a um lago, tocando levemente a água, entre outros.

A área em que concorriam (administrativa) não justificava o envio de fotos. E o que é pior: as empresas nem as tinham solicitado.

“Eles acham que serão vistos como criativos, mas, dependendo do caso, podem cair no ridículo”, afirma a consultora Sofia Amaral, da DM Recursos Humanos.

Cuidado com os tropeços

Os casos a seguir são reais e foram relatados por consultores de recursos humanos. Dependendo da situação, podem eliminar o candidato.

FATAIS

- Vale-entrevista

Um rapaz do interior paulista, pensando no custo da locomoção até a capital, escreveu o seguinte texto: “Para quem estiver interessado em fazer uma entrevista comigo (...), eu estou propondo uma ajuda financeira de R$ 20  para meu transporte”

Como agir certo

Não conte com a ‘solidariedade’ do entrevistador. Com o grande volume de currículos, quem pede algo em troca, a menos que tenha o melhor perfil, é deixado de lado.

- Desperdício

Para encerrar o currículo, uma profissional optou pelo texto: “Agradesso (sic) a atenção disperdiçada (sic).

Como agir certo

Assim que terminar de escrever, revise o texto e peça que mais alguém o leia, para evitar erros. Além disso, não é recomendável escrever mensagens como essa num currículo, pois o selecionador não faz um ‘favor’ ao examinar suas qualificações, apenas cumpre sua função.

- Intimidade

Um jovem tentou criar empatia com o avaliador já na apresentação: “Tenho 32 anos, muito bem vividos por sinal (...), nunca fui mesmo de estudar”

Como agir certo

O currículo é um documento formal e não admite esse tipo de comentário. Pior é colocar que não gosta de estudar.

- Vôos altos

Alguns candidatos cometem enganos ao citar seus hobbies. Um deles, por exemplo, disse que gostava de jogar baralho. Outra informou que fazia tricô e sabia cozinhar bem. Um terceiro quis evidenciar sua coragem e colocou que saltava de pára-quedas e praticava mergulho.

Como agir certo

Para os consultores, atividades que não se relacionam com a empresa ou com a vaga não devem ser citadas no currículo, pois isso não vai ajudá-lo a ser escolhido e ocupará o espaço de informações mais importantes.

- Dublê

 Pensando em enganar a selecionadora, um candidato aproveitou-se da entrevista em inglês ser por telefone e colocou outra pessoa para falar em seu lugar. A armação foi descoberta  quando a entrevistadora começou a fazer perguntas pessoais, para conferir as informações cadastrais, e o interlocutor começou a titubear.

Como agir certo

Seja honesto. Mentiras nunca são relevadas.

- Estratégia

Assim que chegou à entrevista, o profissional mal cumprimentou o selecionador e começou a falar de todas as suas atribuições e habilidades, antes  mesmo que o consultor dissesse o perfil da vaga. O entrevistador, espantado, explicou que era uma posição aquém das qualificações apresentadas e que, por isso, ele não poderia concorrer à oportunidade. Ao perceber a situação, o candidato desconstruiu toda a sua fala e disse que não era bem assim, que só coordenava um projeto por ano, que sua consultoria tinha fechado e que precisava da vaga.

Como agir certo

Aguarde a descrição do perfil e a primeira pergunta do entrevistador para começar a falar. E seja sincero

- Show

Durante a entrevista, uma jovem começou a chorar diante da psicóloga, dizendo que sua mãe estava doente e que precisava muito do emprego. Em outra situação, uma mãe, desesperada com o desemprego de suas duas filhas, fez uma carta manuscrita em que contava os problemas por que estava passando e a remeteu para o diretor de uma grande empresa

Como agir certo

Não apele para comportamentos dramáticos em processos seletivos, pois as empresas, em geral, buscam profissionais que saibam controlar as emoções.

- “Fotogracinha”

Um profissional anexou ao currículo uma foto sua. Até aí, nenhum problema. Mas a foto, de corpo inteiro, mostrava-o apenas de costas. Já uma candidata a uma vaga de assessor administrativo resolveu partir para o tudo ou nada: enviou uma foto grande em que estava de lingerie em uma pose insinuante. Para completar, o texto do currículo era recheado de expressões de duplo sentido.

Como agir certo

Se sua função não depende da imagem, como recepcionistas, modelos e atores, nem a empresa pediu, não envie fotos. Se for necessário mandar, escolha com atenção.

- Falta de foco

Não adianta colocar metas não-profissionais no currículo, como fez um candidato a uma vaga gerencial: “Levar os filhos para a Disney e comprar um Vectra”.  Ele até tinha uma explicação: achou que a empresa iria enxergá-lo como alguém batalhador.

Como agir certo

Nesse item deve ser citado seu objetivo profissional  na empresa - área e cargo pretendidos.

 

- Borrões

Corrigir o currículo à mão, rabiscar e incluir informações pode ser prático, mas passa uma péssima impressão para o avaliador. Não adianta também tentar esconder um dado errado com corretivo, pois, além de piorar a apresentação, a informação pode não ficar totalmente apagada e gerar dúvida.

Como agir certo

Caso encontre algum erro ou tenha de atualizar alguma informação, faça a correção e tire uma nova copia do currículo.

MÉDIOS

- Detalhes

Há candidatos que, preocupados com o tipo de empresa na qual estão concorrendo, dizem já ter feito “laqueadura de trompas”. Outro exagerou no detalhe ao incluir “tomo medicamentos psicóticos (sic), mas controlados pelo médico (dando o nome dele)”

Como agir certo

Informações detalhistas devem ser retiradas.

- Bom humor

O currículo de um profissional trazia um desenho de um homem engravatado e sorridente com uma pergunta: “Você gostaria de me ver no seu concorrente?”

Como agir certo

Evite isso, pois essas brincadeiras não são bem aceitas por consultores.

- Minha vida é um livro aberto

Um candidato usou como trunfo sua infância e contou, no currículo, detalhes de onde nasceu.

Como agir certo

Inclua apenas informações referentes à vida profissional.

- Exagero

Uma jovem achou que, descrevendo-se no currículo, suas chances aumentariam: “Sou morena, simpática, criativa (..),  e não há o que possa comprometer a minha reputação.

Como agir certo

Não é esse tipo de informação que vai encaminhá-la à vaga, além de poder criar uma imagem distorcida da profissional.

LEVES

- Simpatia

Iniciar o currículo com “Bom dia! Boa tarde! Boa noite” e dizer que ficaria à disposição para um ‘bate-papo’,  atitude tomada por uma candidata, não é positivo. Outra resolveu ser simpática também escrevendo no envelope: “Bom trabalho, senhor carteiro”

Como agir certo

O currículo é um documento sério (e até frio), onde não cabem expressões informais

Descartável

O número do celular deve ser informado, mas não como fez uma profissional que colocou parênteses com a palavra ‘próprio’

Como agir certo

Como é mais comum os celulares serem ‘próprios’, não há necessidade de incluir essa informação. Mas, se pertencer a outra pessoa, indique  que é um telefone de recados.

Terror

Escolher a letra do currículo também contribui para não ser recusado, como o de um candidato  que optou por uma fonte para os títulos que dava a impressão de estar sangrando

Como agir certo

Utilize letras formais e de fácil leitura.

Fonte: FSP - Folha Classificados - 11/3/2001 - pgs. 1 e 2