PRIMEIRO EMPREGO

 

A MARATONA POR UMA VAGA DE TRAINEE

Retração do mercado de trabalho e redução da oferta de programas aumenta a disputa

Ao redor de 200 mil jovens em fase de graduação no ensino superior ou recém-formados disputam, este ano, cobiçadas vagas nas grandes empresas nacionais e multinacionais do País. Ser selecionado garante não só um salário invejável para quem está iniciando – ao redor de R$ 2 mil por mês, mas a chance de passar por treinamento intenso para se transformar em um dos talentos da empresa, com rápida ascensão na carreira.

Conseguir uma vaga não é fácil. Em especial neste ano, em que a disputa está muito mais acirrada do que em anos anteriores devido à retração do mercado. Aa empresas abriam, em média, de 20 a 30 vagas por ano. Em 2002, a média caiu para 10 a 20 vagas e muitas empresas – notadamente as do setor de tecnologia da informação como a Telemar e a Ericsson – decidiram não abrir vagas. 

 

Processo seletivo

Em contrapartida, o número de candidatos aumentou muito. Na Unilever, por exemplo, 19.882 candidatos se inscreveram para a fase de seleção, que começou nesta semana, quase três mil a mais que em 2001. Na Rhodia, cerca de 16 mil preencheram os formulários via internet. “Mais de 70% desses currículos – todos enviados por e-mail – caem antes mesmo de chegar à fase de testes, também feitos pela internet. E apenas cerca de 7% chegam à fase presencial, em que são feitas dinâmicas de grupo, provas situacionais, games de negócios e entrevistas com recrutadores e executivos das empresas”, afirma Sofia Esteves de Almeida, sócia-diretora da Companhia de Talentos, divisão da consultoria DM Recursos Humanos e especializada em recrutamento de jovens talentos, com 12 anos de atuação e com clientes do porte da Unilever, Basf, Rhodia, Brasil Telecom e Alcoa. No segundo semestre de 2001, a empresa realizou o processo seletivo de mais de 180 mil candidatos para vagas de estagiários, trainees e MBA’s de 49 grandes empresas.

A média é de 600 candidatos por vaga, o que significa apenas 0,16% de aprovação em todos os concursos, diz Sofia. A primeira triagem é feita por um software que verifica se o currículo atende pré-requisitos estabelecidos pela empresa, como formação acadêmica, ano de conclusão do curso, conhecimentos específicos como informática, por exemplo. Os testes online – de inglês, de atualidades e de raciocínio lógico – exigem uma pontuação mínima de acerto. Na fase presencial, organizada pela Companhia de Talentos de acordo com a cultura de cada empresa, é avaliado o perfil comportamental – e os próprios executivos que estão contratando recebem treinamento para perceber qual candidato se adapta melhor às exigências da vaga. 

 

Sangue novo

Segundo Sofia, a implantação de programas de trainees e estagiários cresceu muito nos últimos anos devido à necessidade de trazer sangue novo para as empresas, sem vícios, que chegam criticando o “status quo” e trazem novos conhecimentos absorvidos na faculdade. São jovens, com idéias inovadoras, que são preparados para serem os futuros gestores da organização. Eles têm de ter iniciativa, garra, facilidade de comunicação e de relacionamento interpessoal. Ela orienta os jovens selecionados para a fase presencial para que respeitem o próprio perfil e não fiquem tentando corresponder ao tipo de trainee que eles imaginam que a empresa quer. “É importante, também, que o jovem analise se a empresa tem o perfil de organização em que gostaria de trabalhar.”

Os candidatos podem se deparar com situações inusitadas. “Na Alcoa, por exemplo, uma diretora de escola de samba fez uma palestra e, na seqüência, o grupo teve de organizar um desfile”, conta Sofia, ressaltando que os candidatos nunca são submetidos a situações humilhantes ou ridículas. Um aspecto importante é que no processo de seleção de trainees nunca é requisitado conteúdo técnico, mas sempre comportamental. 

 

ALL não limita o número

Basf, Natura e ALL-Delara (América Latina Logística) estão com inscrições abertas para seus programas de trainees. Das três empresas, a ALL-Delara é a única que não limita o número de vagas, que fica vinculado ao número de candidatos que tenham o perfil desejado, segundo Márcia Baena, coordenadora da Área de Gente da empresa. Na Basf, são dez vagas. A Natura pretende recrutar sete trainees e 20 estagiários.

Os trainees da Natura vão atuar nas áreas de marketing, comercial, pesquisa e desenvolvimento e operações e logística. As atividades começam em janeiro. O candidato precisa estar formado há, no máximo, dois anos ou estar cursando o último ano em 2002, além de ter inglês fluente. A remuneração do trainee na Natura é de R$ 2.546,08. Os candidatos podem se inscrever até o próximo dia 20, pelo site www.natura.net.

A internet também é o meio de inscrição ao programa da Basf (www.basf.com.br). O interessado deve ter até 26 anos, dominar o idioma inglês e ter se formado até nos dois últimos anos. Mantido desde 1987, o programa da Basf já treinou 162 jovens, dos quais 64 ainda estão na empresa, 20% deles em cargos de liderança e 54% “candidatos a potenciais líderes”.

A ALL-Delara, maior operadora logística da América Latina, abriu esta semana as inscrições ao programa de 2003. Na última versão, foram mais de 7 mil inscritos.

As vagas são direcionadas a graduados ou pós-graduados a partir de junho de 2001, e para quem está no último semestre da graduação. Em cinco anos de existência, mais de 100 colaboradores se formaram no programa. As inscrições terminam em 06 de outubro e são feitas por meio do site www.alltrainee.com.     

  

Fonte:Jornal Gazeta Mercantil / SP – Seção: Carreiras -Pg.C-2– 13/9/2002, por Tânia Nogueira Álvares