UNIVERSIDADES, DESDE O INÍCIO

Jornal-Escola sempre apostou no desenvolvimento do programa também no 3o. grau

 

A simulação da leitura não acontece apenas entre os alunos de 1o. e 2o. graus. Há dez aos, quando foi criado,o Jornal-Escola já contava com uma faculdade (Turismo-Aelis) entre as instituições conveniadas com o programa. Atualmente, sete instituições universitárias, somando um total de 21 cursos, dão um novo impulso à utilização do jornal, ampliando as áreas beneficiadas pelo JE. Uma inovação neste setor em sido a participação direta dos diretórios acadêmicos.

Unimonte

Desemprego, turismo, dívida pública, exportação e inflação foram alguns dos temas mais explorados no jornal pelos alunos do professor de economia do Centro Universitário Monte Serrat (Unimonte), Adalto Corrêa de Souza Júnior, que leva o trabalho com o JE para os cursos de administração, direito, hotelaria e turismo.

Adalto coloca que as atividades realizadas com o jornal tiveram total aceitação dos alunos.  “Não houve nenhum tipo de resistência. Com a leitura do jornal surgiram termos que eu ainda não tinha explorado em sala de aula. A leitura ajudou a estimular as dúvidas e o aprendizado”, destaca.

Professora e coordenadora do Curso de Jornalismo, Arylce Tomaz utiliza o jornal em várias aulas dos cursos da área de Comunicação. Durante as aulas de Comunicação Comparada, os alunos de Relações Públicas relacionam a importância do jornal regional com os veículos de circulação nacional.    

Já no curso de jornalismo, os estudantes trabalham a representatividade da notícia e da reportagem. “Eles verificam o textual e a paráfrase, além dos tipos da abertura da matéria e reescrevem notas”, diz Arylce.

Coordenadora do curso de Turismo, Selma Lima conta que os jornais são a base para as análises de notícias relacionadas ao curso. “Os alunos, a cada semestre, escolhem um município que compõe a região metropolitana da Baixada Santista e fazem o levantamento sobre tudo o que sai publicado, principalmente no caderno Cidades”.

No curso de Pedagogia, o jornal é utilizado para análise e construção de textos. “Praticamente todos os professores do curso utilizam esse material em sala de aula”, destaca a coordenadora do curso, Simone Rodrigues Batista.

Unimes

O JE é desenvolvido há vários anos nos cursos de Administração, Comércio Exterior e Pedagogia da Universidade Metropolitana de Santos (Unimes).  O diretor do Projeto Porto da universidade, Hélio Hallite trabalha com o Jornal-Escola há mais de cinco anos. No desenvolvimento do projeto Cultura Portuária, Hélio utiliza a seção Porto e Mar para analisar assuntos referentes à disciplina. “Essa seção do jornal é fundamental para suprir a dificuldade de informações atuais nos livros, sobre esses assuntos”.

Para a professora de pedagogia, Maria Luiza Silva Santos Marques, “o Jornal-Escola abre horizontes, ‘pois geralmente a criança não gosta de ler o jornal. Porém, com as técnicas desenvolvidas pelo programa, elas iniciam o gosto pela leitura”.

Unisanta

No curso de Biologia, a parceria foi feita com o Centro Acadêmico (CA) que interage com professores e alunos. O CA faz a manutenção de um painel fixo, com notícias de interesse da área, atualizado regularmente. A organização da hemeroteca também é feita pelos integrantes do centro.

O jornal também está sendo utilizado nas atividades curriculares. Para os estudantes do segundo ano do curso, a professora e pedagoga Márcia do Vale está realizando um paralelo entre notícias sobre educação e as leis existentes. A partir dessa comparação, os alunos fazem pesquisas com o jornal, apresentam painéis e seminários sobre diversos temas como saúde e meio ambiente.

UniSantos

Utilizado como instrumento para iniciação da investigação científica, o jornal é fonte de pesquisa para os alunos do primeiro ano de serviço social da Universidade Católica de Santos (UniSantos), orientados pela professora Zélia de Oliveira Barros. Neste segundo semestre foram pesquisadas reportagens sobre população carcerária, moradores de rua, síndrome de Down e dependência química. “O mais importante neste projeto é o contato com o meio de comunicação e com a realidade social”, destaca Zélia.

O Diretório Acadêmico de Ciências Econômicas também desenvolve o trabalho com o JE. Os próprios alunos e também professores montam um mural com notícias sobre economia e assuntos regionais. A partir do mural surgiu a idéia da criação de um jornal, feito pelos estudantes do primeiro ano de economia, O Manifesto.

Unaerp

Já a professora Marília Emmerich de Souza Mossini utiliza os exemplares do jornal nos cursos de direito, fisioterapia, odontologia, enfermagem, pedagogia, administração, comércio exterior e turismo, da Universidade do Guarujá (Unaerp).

Durante as aulas, os alunos recebem o jornal e pesquisam sobre diversos assuntos, de acordo com o curso que estudam. Segundo Marília, o jornal proporciona a atualização sobre os fatos mais marcantes. “A intenção é desenvolver a crítica e a análise dos estudantes, além de colocá-los frente a frente com os temas importantes para sua formação como futuro profissional”, destaca.

Unilus

Desenvolvendo o programa através do Diretório Acadêmico da Medicina Santos, os futuros médicos do Centro Universitário Lusíada (Unilus) têm à disposição, semanalmente, um mural montado na portaria e biblioteca da faculdade.

A diretora do Departamento Cultural do D.A., Mity Gabriela Komukai ressalta que a importância da leitura  do jornal para os estudantes de Medicina está na abertura que possibilita para os assuntos da realidade.. “O curso de Medicina é muito intenso e os alunos acabam ficando restritos aos estudos e assuntos da área. Com o jornal, essa visão é ampliada”.

A Fatec de Santos também está iniciando parceria com o JE.

Fonte: Jornal A Tribuna – Santos/SP - Seção Cidades, pg.A-10, 03/12/2002