RPCOM 17

 

 

Pág.1

CONRERP-SP/PR TEM NOVA DIRETORIA

 

Este ano de 2004 marca uma etapa especial para duas turmas de Relações Públicas. Após a maratona do vestibular, os calouros do primeiro semestre iniciam o curso, enquanto os veteranos do sétimo preparam-se para o Trabalho de Conclusão do Curso (TCC), despedindo-se, assim, da Universidade.

Para vocês, calouros, com certeza, a comunicação e organização pesaram na hora de escolher as RP como profissão.

Por isso, a  Metodista lhes propiciará o ensino das principais táticas e estratégias da comunicação, que lhes servirão de base para atuar nos diversos mercados.

A partir de agora, vocês passarão por quatro anos de teorias, palestras e embasa­mentos sobre políticas de comunicação, pesquisas de opinião e planejamentos. Quando receber o canudo, serão profissionais quali-ficados com visão estra-tégica, capacidade adminis-trativa e articulação política, além de contar com uma sólida formação ética.

Mas a faculdade não será feita só de livros. Tem muita prática! Na Agência Experimental de Relações Públicas (AERP), vocês terão acesso a rotinas de trabalho seme­lhantes às utilizadas no mercado, participando de núcleos de planejamento em comuni­cação, pesquisa, organização de eventos e capacitação de recursos e desenvolvendo projetos para as comunidades interna e externa da Univer­sidade. Sempre sob a super­visão de mestres especia­lizados.

No final do curso, nos dois últimos semestres, é a vez do TCC.

Com ele, vocês terão oportunidade  de atender a um cliente real, prestar-lhe assessoria  e decidir qual a me­lhor estratégia a ser seguida.

Instruídos por profes­sores, apresentarão seu trabalho a uma banca examinadora que irá analisar e avaliar o projeto.

Mas também não vamos nos esquecer do segundo e terceiro anos, igualmente fundamentais, durante os quais vocês realizarão trabalhos práticos como o RPCom, boletins para ONGs, organização de eventos e  montagem de uma agência de Relações Públicas.

Empresas, instituições, entidades públicas, privadas e ligadas ao emergente Terceiro Setor: esse é o nosso mercado de trabalho. Dos cerimoniais e recepções a autoridades e políticos, pas-sando pelos problemas dos serviços de atendimento ao consumidor e pelas reuniões com o pessoal do marketing e RH, assim é o trabalho diário.

Isso sem contar os releases, releases, releases...

A partir de agora, essa é a sua nova vida. Você é um futuro RP.

 

Profa. Dra. Maria

Aparecida Ferrari

Diretora da FAJORP

 

 

Pág.2 e 3

 

UM CURSO ATUALIZADO



O  que  você aluno pode encontrar à sua disposição para maximizar

 seus resultados no curso de Relações Públicas

 

É parte integrante do curso. Foi constituída como Unidade Experimental por ser um centro de treinamento especializado, garantido e monitorado pela coordenação do curso e pela orientação segura de professores qualificados em nível de mestrado e doutorado.

São objetivos da Agência oferecer aos universitários treinamento profissional prático no campo de Relações Públicas, colocá-los em contato  com o mercado,  criar condições reais de aprendizagem profissional e estimulá-los a valorizar a profissão que escolheram, desenvolvendo programas e projetos de relações públicas para a Universidade e para clientes que contratem seus serviços.

A Agência é constituída por três núcleos: de Eventos, de Pesquisa de Opinião e de Instrumentos e Produtos de Comunicação. 

Está apta a dar atendimento profissional tanto às Faculdades que compõem a Universidade, como a clientes externos que podem contratar serviços em suas áreas de atuação. Participam da Agência estagiários contratados e voluntários.

 

O laboratório fotográfico

 

No Laboratório de Fotografia, você irá aprender, durante o III e IV semestres, a produzir fotos em preto e branco, contando com equipamentos para revelação e ampliação. Você aprenderá também a se relacionar com os profissionais dessa área e a orçar e contratar os  seviços que lhe serão necessários quando você tiver pela frente a produção de peças gráficas, como folhetos institucionais, revistas e boletins.

O laboratório conta com material químico e sala escura para a fase de revelação e sala para ampliação, onde você terá a oportunidade de conhecer e aprender todas as etapas da produção fotográfica.

Outro equipamento disponível é um scanner para negativos, para a produção de fotos sem passar pelo processo de ampliação em papel.

 

Departamento de Multimeios

 

Foi criado com o objetivo de facilitar as atividades didático-pedagógicas tanto dos professores quanto dos alunos.

Possui uma ampla variedade de equipamentos como retroprojetores, epidiascópio, projetores de slides, máquinas fotográficas e gravadores.

Funciona de segunda a sexta-feira, das 7h às 23h e aos sábados, das 7h às 17h.

Para reservar os equipamentos, você deverá apresentar sua carteirinha de estudante e fazer a reserva com no mínimo uma semana de antecedência.

Os equipamentos poderão ser utilizados somente durante o horário reservado. As câmeras fotográficas e  os gravadores poderão ser levados para fora do campus, devendo ser devolvidos sem danos, no prazo  máximo de 3 dias.

 

 

Estúdios de Rádio e TV

 

Com execelente estrutura, que conta com ilhas de edição digitais, os Estúdios de Rádio e TV podem ser usados pelos alunos em seus projetos. Aqui, você aprenderá a produzir trabalhos com cenários idealizados e criados por você mesmo, sob a orientação de  técnicos e monitores, alunos estagiários do curso de Rádio e TV e profissionais da área de Radialismo.

Além das filmagens internas, você poderá desenvolver também trabalhos externos, pois o estúdio  conta com equipamentos específicos para este fim  como câmeras, microfones e tripés. 

Na disciplina de Rádio e TV em Relações Públicas, que, a partir da nova grade curricular, passa a contar com 4 horas-aula  no VI semestre,  você terá oportunidade de aprender noções de edição, roteiro e técnicas de  posicionamento de câmera e cenário, entre outras.

 

Os laboratórios de informática.

 

O campus Rudge Ramos dispõe de Laboratórios de Informática conectados à internet e equipados com softwares - Microsoft Word, Adobe Page Maker e Photoshop - para a produção dos trabalhos acadêmicos e de peças gráficas como folhetos institucionais e house organs.

Abertos de segunda a sábado, os Laboratórios de informática estão à disposição de todos os alunos sempre que não estiverem sendo utilizados para aula. Contam com  monitores que,  além de zelar pelo uso correto das instalações e equipamentos, estão à disposição dos usuários para dar orientações e esclarecer dúvidas.

 

PastoralUniversitária

 

A Pastoral Universitária oferece atendimento pessoal aos alunos, orientando-os para a adoção de uma postura ética, humanística e cristã. Presta também serviços à comunidade, por meio da arrecadação e doação de alimentos, agasalhos e brinquedos, além de promover celebrações religiosas e devocionais.

 

Biblioteca

 

Com mais de 71 mil títulos e, aproximadamente, 1.100 periódicos, a biblioteca oferece-lhe as seguintes vantagens: acesso gratuito aos melhores jornais e revistas de circulaçao nacional; empréstimos de  livros localizados em todos os campi e em outras universidades, copiadoras xerox, consulta de base de dados em CD-ROM e internet e locação de fitas de vídeo.

 

 

 

Pág. 4 e 5

 
METODISTA ADAPTA SISTEMA DE CRÉDITOS
VEJA COMO ESTÁ ESTRUTURADO  O CURSO DE RELAÇÕES  PÚBLICAS

 

Constante busca de atualização

 

A Umesp tem se distinguido pela constante busca de atualização e por seguir, rigorosamente, as determinações do Conselho Federal de Educação.  Em 2004, todos os cursos reformularam o seu Projeto Pedagógico, adaptando-o às normas oficiais e ao que moder­namente se pratica no mercado.  Até 2003, a grade curri­cular do curso de RP era constituída por disciplinas rigidamente distribuídas ao longo dos 8 (oito) semestres.  A partir de 2004, ganhou certa flexibilidade, permitindo, p. ex., ao aluno concluir o curso em, no mínimo, três anos e meio e, no máximo, em sete anos.

Com a nova grade, apenas nos dois primeiros semestres, os alunos terão que cumprir todas as disciplinas oferecidas. A partir do terceiro semestre, poderão cumprir, no mínimo, 12  ou, no máximo, 30 créditos.

 

 

Pré-requisito e co-requisito

 

Entende-se por pré-requisito a disciplina que o aluno precisa cursar  para se matricular em outra.  Já o co-requisito é a disciplina a ser cursada simultaneamente com uma ou mais disciplinas

Os pré-requisitos e co-requisitos de disciplinas podem compor a matriz curricular até o limite de 10% dos créditos do curso.

 

Atividade curricular

 

 

É uma unidade complementar de formação, cumprida dentre as seguintes alternativas:

a exercício de monitoria, a iniciação científica, a projeto de extensão, a  participação de eventos científicos da área com produção específica, a atividades culturais.

Para a realização de tais atividades pode haver ou não horário previamente determinado e a avaliação será feita por grau ou conceito de suficiência.

 

Disciplina extra-curricular

 

É aquela que o aluno pode escolher para enriquecer  o seu cabedal de conhecimento geral ou profissional. São disciplinas que fazem parte das matrizes curriculares de outros cursos da Umesp e devem se classificar em uma das seguintes categorias:

a formação cidadã, a formação geral, a formação Básica e a formação Específica.

 

Crédito curricular

 

O sistema de crédito curricular passa a variar em função da  natureza da disciplina e  de sua carga horária. O crédito curricular é a unidade básica da matriz curricular do curso com 20 (vinte) horas-aula de atividades.

 

  Grade  Curricular 2004 – Relações Públicas

 

I Semestre

- Comunicação e Linguagens

- História da Comunicação

- Linguagem Escrita e

  Oral em Relações Públicas

- Metodologia da Pesquisa

  em Comunicação

- Oficina de Relações Públicas

- Tecnologias da Comunicação

- Teoria da  Administração

-         Filosofia

 

II Semestre

- Administração Geral

- Arte e Cultura

- Eletiva de Formação Cidadã

- Sociologia das Organizações

- Teoria da Comunicação

- Teoria e Aplicação da

   Pesquisa

- Teorias de Relações Públicas

-         Textos de Comunicação Dirigida em Relações Públicas

 

III Semestre

 

- Administração

  Contemporânea

- Comunicação Organizacional

- Eletiva

- Fotografia - Introdução

- História da Sociedade

  Contemporânea

- Met. Téc. da Pesq. em R.P.

- Relações Públicas

  Contemporâneas

- Téc. de Redação em R. P.

-         Técnicas de Relações Públicas

 

IV Semestre

- Arte Fotográfica

- Cultura Organizacional em Relações Públicas

- Fundamentos da Psicologia

- Gestão Financeira e Orçamentária

- Planejamento de Pesquisa em Relações Públicas

- Planejamento de Relações Públicas

-         Produção de Textos Institucionais em Relações Públicas

 

V Semestre

- Assessoria de Imprensa

  em Relações Públicas

- Linguagem Jornalística

- Marketing

- Planejamento de Eventos:

  Cerimonial e Protocolo

- Planejamento Gráfico

  em Relações Públicas

- Relações Públicas e

  Terceiro Setor

-         Teoria da Opinião Pública

 

 

VI Semestre

 

- Análise Crítica da Mídia

- Atividade Curricular

- Empreendedorismo em 

  Relações Públicas

- Gestão Estratégica de

  Relações Públicas

- Oficinas de Textos de

  Relações Públicas (Boletim)

- Pesquisa de Opinião Pública

-         Rádio e TV em Relações Públicas

 

VII Semestre

- Legislação e Ética na

  Comunicação e em

  Relações Públicas

- Oficinas de Projetos

  Experimentais

- Oratória

- Pesquisa Aplicada aos 

  Projetos Experimentais

- Relações Públicas

  Governamentais

- Técnicas de Comunicação

  Aplicada à Oratória

 

 

VIII Semestre

Consultoria Metodológica

Projetos Experimentais

 

Total : 3.080 horas/aula

 

 

 

Pág.6

 

Uma boa biblioteca é indispensável

a um bom curso superior

 

Lembra-se de quando você estudava no ensino fundamental e no curso médio? Terminava um ano, você ou jogava os livros fora ou os passava adian­te. Isso agora acabou. No curso superior, o livro não é mais um “manual descar­tável”, no qual você so­mente estuda, para a prova, o que o professor ensinou em aula. Ele existe para a leitura permanente. É fonte de pesquisa e de consulta. Deve estar na estante, não como elemento de deco­ração, mas a formar a sua biblioteca particular, que irá compor a sua impressão digital enquanto profis­sional e estudioso das Relações Públicas.

Comece, desde já, desde o primeiro ano, a compor a sua biblioteca com as obras rela­cio­nadas ao curso que você escolheu. Os livros são caros, é verdade, e você já tem que comprar aqueles que são indispen­sáveis a cada disciplina. Comece aos poucos. Aquele dinhei­rinho que sobrar no final do mês será super bem emprega­do se for investido em livros. No seu aniver­sário, no Natal, no dia dos namorados e nas diferen­tes datas em que costuma­mos presentear os amigos, deixe perceber que você quer ganhar um determi­nado livro. Para facilitar sua vida, relacio­namos abaixo uma série de obras, direta ou indireta­mente relacionadas com as relações públicas. Confira.

 

ABREU, Antônio Suárez. Curso de redação. São Paulo: Ática, 1989.

ANDRADE, Cândido Teobaldo de Souza. Para entender relações públicas. 3a.  ed. São Paulo: Loyola, 1983.

ANDRADE, Cândido Teobaldo de Souza. Administração de relações públicas no governo. São Paulo: Loyola, 1982.

ANSOFF, H. Igor, MACDONNEL, Edward. Implantando a administração estratégica. 2a ed. São Paulo: Atlas, 1993.

BASKIN, Otis, ARONOFF, Craig. Public relations: the profession and the practice. 3a. ed. EUA: WCB, 1992.

BERLO, David. O processo da Comunicação. Rio de Janeiro: Martins Fontes, 1972.

BLACK, Sam. Casos de relaciones públicas internacionales. Barcelona: Ediciones Gestión 2000, 1993.

BLIKSTEIN, Izidoro. Técnicas de Comunicação Escrita. 9a ed. São Paulo: Ática. 1991.

BOONE, Louis E., KURTZ, David L. Marketing contemporâneo. Trad. de vários. Revisão técnica de Ana Akemi Ikeda. 8a. ed. Rio de Janeiro: LTC, 1998.

CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à teoria da administração. 5ª edição, São Paulo: Makron Books, 1997.

CIACAGLIA, Maria Cecília. Organização de Eventos: teoria e prática. São Paulo: Thomson, 2003.

COSTA, Eliezer Arantes da. Gestão estratégica. São Paulo: Saraiva, 2002.

CORRÊA, Tupã Gomes. Contato imediato com a opinião pública: os bastidores da ação política. São Paulo: Global, 1988.

COHN, Gabriel. Comunicação e indústria cultural. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1971.

CORRADO, Frank. A força da comunicação. São Paulo: Makron, 1995.

CUTLIP, Center et alii. Effective public relations. 7a. ed. EUA: Prentice-Hall, 1999.

DOTY, Dorothy T. Divulgação jornalística e relações públicas. São Paulo: Cultura, Editores Associados, 1995.

FAIRCLOUGH, Norman. Discurso e mudança social. Brasília: UnB, 2001.

FARHAT, Said. O fator opinião pública: como se lida com ele. São Paulo.

FERRARI, Maria Aparecida. Apontamentos de pesquisa para a elaboração da tese de doutorado. São Paulo: ECA-USP, 1998. [Mimeo].

FERRARI, Maria Aparecida. Novos aportes das Relações Públicas para o século XXI. Revista Comunicação e Sociedade. São Paulo: UMESP, ano 24, no. 39, 2003.

FLEURY, Maria Tereza Leme,  FISCHER, Rosa Maria (Coords.). Cultura e poder nas organizações. São Paulo: Atlas, 1990.

FORTES, Waldyr Gutierrez. Relações Públicas: processos, funções, tecnologias e estratégias, Londrina: UEL, 1998.

FRANÇA, Fábio. Comunicação na época da qualidade total. Dissertação de mestrado. São Paulo, ECA-USP, 1997.

FRANÇA, Fábio. Subsídios para o estudo do conceito de Relações Públicas no Brasil. Revista Comunicação e Sociedade. São Paulo: UMESP, ano, 24, no. 39, 2003

FRANÇA, Fábio. Relações Públicas: estratégica de relacionamentos com públicos específicos. Escola de Comunicações e Arte, USP: São Paulo, 2002.

FREITAS, Maria Ester. Cultura organizacional: formação, tipologias e impacto. São Paulo: Makron, 1991.

FREITAS, Sidinéia Gomes de, FRANÇA, Fábio. Manual da qualidade em projetos experimentais de comunicação. São Paulo:  Pioneira, 1997.

GRUNIG, James E., HUNT, Todd. Managing public relations. New Jersey: Holt, Rinehart and Winston, 1984.

HUDSON, Mike. Administrando organi­zações do terceiro setor. São Pau lo: Makron Books do Brasil, 1999.

INFANTE, Ulisses. Curso de Gramática aplicada aos textos. 6ª ed. São

Paulo: Scipione, 2001.

KOPPLIN, Elisa e FERRARETO, Luiz Artur. Assessoria de Imprensa:teoria e prática. Porto Alegre: Sagra, 1993.

KOTLER, Philip, GARY, Armstrong. Princípios de marketing. Trad. de Vera  Whately. 7a. ed. Rio de Janeiro: Prentice-Hall, 1998.

KUNSCH, Margarida M. Krohling. Relações Públicas e marketing. In: Relações públicas e modernidade: novos paradigmas na comunicação organizacional. São Paulo: Summus, 1997. p. 122-128.

KUNSCH, Margarida M. Krohling (Org.). Obtendo resultados com relações Públicas. São Paulo: Pioneira, 1997.

KUNSCH, Margarida M. Krohling. Relações Pública e modernidade: novos paradigmas na comunicação organizacional. São Paulo: Summus,1997.

KUNSCH, Margarida M. Krohling. Planejamento de relações públicas na comunicação integrada.4ª. ed. São Paulo: Summus, 2003.

LESLY, Philip. Os fundamentos das relações públicas e da comunicação. São Paulo. Pioneira, 1995.

LIMA, Luiz Costa (org.). Teoria da cultura de massa. São Paulo. Paz e Terra. 2000.

LODI, João Bosco. Lobby e holding: as bases do poder.2a. ed. São Paulo: Pioneira, 1984.

LODI, João Bosco. Lobby: Os grupos de pressão. São Paulo. Pioneira, 1986.

LOPES, Boanerges. O que é assessoria de imprensa. São Paulo,  Brasiliense, 1994.

MEIRELLES, Gilda Fleury. Protocolo e Cerimonial. Normas, Ritos e  Pompa. São Paulo. Ômega, 2001.

MOREIRA, Joaquim Manhães. A ética empresarial no Brasil. 1. ª edição, São Paulo. Pioneira, 1999.

NEVES, Roberto de Castro. Imagem empresarial. Rio de Janeiro. Mauad, 1998.

NEWSON, Doug et alii. This is PR: the realities of public relations. 4a. ed. Belmont, 1989.

NOGUEIRA, Nemércio. Opinião pública e democracia: desafio à empresa. São Paulo: Nobel, 1987.

OLIVEIRA, Djalma de Pinho Rebouças. Manual de consultoria empresarial – conceitos, metodologias e práticas. 3a. Ed. São Paulo: Atlas, 2002.

OLIVEIRA, Djalma de Pinho Rebouças. Planejamento estratégico: conceitos, metodologia e práticas. 11ª. ed. São Paulo: Atlas, 1995.

OLIVEIRA, Sílvio Luiz. Tratado de metodologia científica – projetos de pesquisas, TGI, TCC, Monografias, Dissertações e Teses. São Paulo: Pioneira, 1997.

OSBORNE, David, GAEBLER, Ted. Reinventando o governo: como o espírito empreendedor está transformando o setor público. 7a. ed. Brasília: MH Comunicação, 1995.

PINHO, J. B. Relações Públicas na Internet. São Paulo: Summus, 2003.

REA, Louis M. e PARKER, Richard A. Metodologia de pesquisa - do planejamento à execução. São Paulo: Pioneira, 2000.

REGO, Francisco G. T. Comunicação Empresarial / Comunicação Institucional. 2ª. ed., São Paulo, Summus, 1986.

RICHARDSON, Roberto Jarry. Pesquisa Social – métodos e técnicas. São Paulo: Atlas.

VIÁ, Sarah Chucid. Opinião pública: técnicas de formação e problemas de controle. São Paulo: Edições Loyola, 1983.

SAUVY, Alfred. A opinião pública. São Paulo: Difusão Européia do livro, 1959.

SIMÕES, Roberto P. Relações Públicas: função política. 3.ª edição, São Paulo: Summus, 1995.

SODRÉ, Muniz e FERRARI, Maria Helena. O texto nos meios de comunicação: técnica de redação. 4a. ed. São Paulo: Francisco Alves, 1987.

SROUR, Robert Henry. Poder, Cultura e Ética nas Organizações. Rio de  Janeiro: Campus, 1998.

SUSSKIND, Lawrence e FIELD, Patrick. Em crise com a opinião pública: o diálogo como técnica fundamental para solucionar disputas. São Paulo: Futura, 1997.

TARDE, Gabriel. A opinião e as massas. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

TIFFANY, Paul e Peterson, Steven. Planejamento estratégico: o melhor  roteiro para um planejamento estratégico eficaz. Rio de Janeiro: Campus, 1998.

WILCOX, Dennis L., AUTT, Philips H., AGEE, Warren K. e CAMERON, Glen T. Relaciones Publicas: estrategias y tácticas. Madrid: Pearson  Educatión S/A, 2001.

ZANELLA, Luiz Carlos. Manual de Organização de Eventos. São Paulo: Atlas, 2003.

 

 

Pág. 7

 

Prêmio Cândido Teobaldo 2003,

conseqüência natural

dos estudos levados a sério

 

A ganhadora do Prêmio Cândido Teobaldo 2003 é o retrato fiel de que nenhuma conquista, em nossas vidas, se dá ao acaso. Todas elas são fruto de muita dedicação, seriedade e, principalmente, firmeza de propósitos, ou seja, capacidade de traçar planos para a própria vida, com objetivos claros e empregando todos os recursos que estão em nossas mãos para alcançá-los.

 

Aos 29 anos, Edna Lira, que se formou em Relações Públicas na Universidade Metodista, em 2003, é Assistente de Atendimento na LVBA, uma das mais importantes e tradicionais agências de Relações Públicas do País.

Começou sua carreira como estagiária, há dois anos e três meses. Na época, trabalhava em uma empresa, na área administrativa, exercendo as funções de Assistente Financeira e de Marketing . Numa decisão bastante amadurecida, optou por largar tudo e começar na profissão que escolhera, como estagiária.

Hoje, ela reconhece que tudo aconteceu na hora certa. Estudiosa, responsável, voltada para o planejamento não apenas na empresa em que trabalha, mas também em sua vida pessoal, Edna fez e continua a fazer dos estudos a ponte para o futuro.

Essa dedicação aos estudos e aos objetivos que para si mesma estabelece estão na base do Prêmio Cândido Teobaldo de Souza Andrade, conquistado em 2003, por ter se distinguido entre seus colegas  como a aluna que melhores notas acumulou ao longo dos oito semestres de curso.

“Não que eu tenha colocado como meta ganhar o Prêmio”, diz ela. “Isso jamais me passou pela cabeça. O Prêmio foi apenas uma conseqüência, o resultado do reconhecimento de um trabalho sério. Meu objetivo era fazer um bom curso de Relações Públicas, encarando com seriedade cada etapa a ser cumprida. Com seriedade e com muita naturalidade”, acrescenta.

Se tomarmos por base a evolução dos acontecimentos, o Prêmio Cândido Teobaldo não foi a única conseqüência natural da dedicação de Edna aos estudos. O estágio, quando ainda era aluna do 3º semestre, e sua posterior efetivação na função de Assistente de Atendimento estão na linha do que promete ser uma carreira de sucesso.

Como há dois anos e três meses, ela entende que se encontra, novamente,  num novo ponto de partida. Sabe que tem muita coisa para aprender, que a academia não a entregou pronta para o mercado, mas que apenas lhe ensinou a descobrir caminhos. “Não são as quatro paredes da sala de aula que te preparam”, afirma, “mas, o exercício prático  e, principalmente, muita leitura. Leitura básica relacionada à formação geral e também aquela direcionada para o aperfeiçoamento profissional.”

Embora não se veja como elemento atuante nos órgãos representativos da classe, pois entende que não tem o perfil próprio para essa tarefa,  continua se preparando, tendo em vista os objetivos que para si estabeleceu de, no futuro, atuar, paralelamente, na vida acadêmica, dedicando-se à pesquisa relacionada às questões da profissão.

Tem plena consciência de que novos desafios por ela esperam na vida profissional e, por isso, continua se preparando para atuar em empresas do primeiro, do segundo ou do terceiro setor. “Quero abrir o leque. Sem pressa, mas com a mesma seriedade com que me preparei para estar onde, hoje, estou”, conclui.

 

 

Pág.8

Conrerp SP/PR inicia o

ano de 2004 com nova diretoria

 

Tomou posse, no dia 08 de janeiro, a nova diretoria do Conrerp SP/PR. Compareceram à sede da entidade todos os membros da chapa Abertura, vencedora das eleições.  Representando a antiga diretoria,  a presidente, Sra. Terezinha de Andrade Leal, passou o cargo a Orpheu Bittencourt Cairolli.

 

A chapa Abertura, formada por jovens profissionais, executivos de renome no mercado e acadêmicos de prestígio nacional e internacional, foi vencedora das eleições do CONRERP SP/PR para a gestão 2004/2006. A plataforma do grupo, que é baseada na legitimidade, credibilidade e expansão, obteve o apoio da categoria que busca novos rumos para a atividade profissional no Brasil.

Os membros da chapa acreditam que esse apoio reflete o anseio profundo de uma categoria que clama por mudanças. O foco da chapa ABERTURA é a melhoria dos inter-relacionamentos dos profissionais mediante a aproximação de todos de seu conselho regulador.

O Brasil vive um momento peculiar,  de ascensão das Relações Públicas, decorrente do reconhecimento, pelas organizações, da importância estratégica de sua rede de relacionamentos. Diante desse cenário, passamos a enfrentar um desafio jamais visto: o de conduzir o diálogo permanente e a arbitragem inteligente entre os interesses das organizações e dos diversos segmentos da sociedade, que, até então, pareciam antagônicos.

As reuniões de planejamento estratégico já foram iniciadas assim como os grupos de trabalho. Segundo informa a Profa. Maria Aparecida Ferrari, conselheira titular pertencente à chapa vencedora, a nova diretoria estabeleceu quatro pilares sobre os quais deverá elaborar seus planos e projetos: o ensino, as relações com o governo, a mídia e os empresários, a publicação de obras inéditas e a organização de eventos técnico-científicos que venham a completar a formação dos profissionais que se encontram na ativa.

 

Nova diretoria 2004/2006

 

Titulares:

 

· Ronaldo F. Canedo – Presidente do SINPRORP;

· Fábio França – Coordenador dos projetos experimentais do curso de Relações Públicas da UMESP;

· Maria Aparecida Ferrari – Diretora da Faculdade de Jornalismo e Relações Públicas da UMESP;

· Orpheu B.Cairolli – Presidente da ECM Assessoria de Comunicação;

· Roberto Constante Filho – Executivo de Relações Públicas;

· Luciana Sabbadini – Gerente de Comunicação do Instituto Mackenzie;

· Maria Rosana Ferrari Nassar – Coordenadora do curso de Relações Públicas da PUCCamp.

 

Suplentes:

 

· Sandra Castellano – Gererente de Comuni­cação Corporativa do laboratório  Pfizer;

· Sueli Agostinho – Gerente de Comuni­cação Corporativa da Caterpillar do Brasil;

· Leni Calderaro Pontinha – Professora de Relações Públicas;

· Marialice Rocha da Silva – Executiva de Relações Públicas da Burson Marsteller;

· Gislaine R. Rossetti – Gerente de Comunicação Social da Basf S.A.;

· Ana Carolina Dollevedo – Executiva de Relações Públicas da TAM;

· Thais Germano – Profissional autônoma de Relações Públicas.

 

Comissões

 

· Comissão de Eventos – Luciana Sabbadini, Marialice R. da Silva, Gislaine R. Rossetti e Ana Carolina Dollevedo.

 

· Publicações – Fábio França, Thaís Germano e Wilson Soares.

 

· Academia – Maria Aparecida Ferrari e Leni Calderaro Pontinha.

 

· Comissão Relações Públicas – Roberto Constante, Rosana Nassar e Suely Agostinho.

 

 

 

 

Declaração de princípios

da nova diretoria

 

1. Legalidade - Atuar em conformidade com a lei e o regimento do CONFERP nos processos de gestão.

2. Uniformidade e Ética - Promover o comportamento ético de todos os membros do conselho em todas as ações do CONRERP a serem desenvolvidas de acordo com as normas éticas e morais.

3. Renovação - Manter o Espírito de renovação que originou a criação da Chapa Abertura mediante a adoção de novos paradigmas sempre primando pela inovação  e criatividade.

4. Responsabilidade - Praticar com responsabilidade a missão que foi conferida aos membros do conselho, apoiando-se no senso de justiça e imparcialidade.

5. Abertura e Participação - Saber administrar, de forma participativa, todas as atividades do CONRERP, propiciando um clima de colaboração mútua na tomada de decisões.

6. Eqüidade - Promover a igualdade entre os membros do CONRERP com vistas a praticar uma administração imparcial, justa e observando as capacidades individuais de seus membros.

 março de 2004