MEMÓRIA

:::::::::: Marketing ou Relações Públicas ?

Samuel Szwarc  


Até que enfim alguém pôs o dedo na ferida. Em artigo recente - Marketing ou Relações Públicas?, publicado no Estado dia 8 de outubro, Cândido Teobaldo de Souza Andrade, um dos mais antigos e competentes profissionais de Relações Públicas de nosso país, aborda o que ele pitorescamente chamou de "transmarketing", isto é, "a sem cerimônia com que profissionais ditos de marketing (nem sei se são em sua maioria) entram no campo de atuação dos profissionais de Relações Públicas, sob nova capa e denominações esdrúxulas", diz ele, com toda razão.


Então, tome lá marketing social, marketing cultural, marketing político e outros "ing". Tem gente até afirmando ser o "criador" do endomarketing no Brasil, nova capa das velhas e boas Relações Humanas e Relações Públicas internas conhecidas há 70 anos nos Estados Unidos e há uns 50 anos no Brasil. A memória tão pouco cultivada em nosso país e o desrespeito profissional chegaram a tal ponto que tudo isso é encarado normalmente, como se fosse uma simples evolução de matérias e abordagens. Arcaísmo? Do tipo mudar freguês pra cliente ou reclame por anúncio? Não é, o abuso vai longe. Mudar o rótulo ainda das velhas e boas vendas por telefone (tal como as conhecemos nos anos 60 no Grupo LTB, por exemplo) para telemarketing também só serve para falsas impressões de alguma contemporaneidade profissional. A verdadeira contemporaneidade não está no rótulo, mas no uso efetivo de moderno instrumento para as velhas necessidades.


Cândido Teobaldo tem razão no seu esperneio, ao qual me junto com toda a humildade. Acontece que eu também acompanhei a luta de tantos companheiros (liderados pelo Ney Peixoto do Vale) pela regulamentação da profissão de Relações Públicas no Brasil, inclusive quando temerariamente organizamos no Rio de Janeiro, em 1966, se não me falha a memória, um Congresso Internacional de Relações Públicas. Vejam só, que audácia! Acho que só umas 20 empresas naquela época sabiam o que eram ou praticavam Relações Públicas.


Mas a profissão teve inegavelmente nesses últimos 15 anos uma "capitis diminutio" sensível, não importa aqui analisar razões, ensejando essas gradativas substituições semânticas ou não observadas no artigo do Cândido Teobaldo, como Relações Públicas com a comunidade passou a ser marketing social; Relações Públicas com as escolas, marketing cultural; Relações Públicas com os poderes públicos é agora marketing político; Relações Públicas com o público interno virou endomarketing e assim por diante.


Quem sabe tem razão o famoso consultor americano Regis MacKenna que, em recente ensaio no Havard Business Review, afirmou, literalmente que "Marketing é tudo". Pode ser, mas o que se faz no Brasil de superficialidade em nome deste propalado as coisas e não esquecem o passado. Só espero que nesses necessários competentes anos 90 os empresários saibam cada vez mais distinguir o joio do trigo.

Originalmente publicado no jornal O Estado de São Paulo, São Paulo, 21 nov. 1991. Empresas, p. 2. para o site do sinprorp em agosto de 2003.

 


A TRAJETÓRIA COMUNICACIONAL DE

 CÂNDIDO TEOBALDO DE SOUZA ANDRADE

 NAS
RELAÇÕES PÚBLICAS

 

Mirtes Vitoriano Torres

Professora da Universidade Federal de Alagoas

 

INTRODUÇÃO

Apresentar o perfil do Prof. Dr. Cândido Teobaldo de Souza Andrade, revela não só uma documentação da trajetória comunicacional do pioneiro na formação de profissionais e pesquisadores das Relações Públicas no Brasil, mas, é também uma forma de homenageá-lo, destacando sua atuação na construção dessa área de conhecimento.

Considerando que, por trás do conhecimento divulgado, há sujeitos que o produzem, percebe-se ser necessário não só divulgar os trabalhos científicos, mas também seus autores, os cientistas. As universidades brasileiras, em sua maior parte, não possuem em sua estrutura institucional uma forma eficaz de comunicação científica, no sentido de reconhecer, compreender, interpretar e estudar a contribuição individual dos seus pesquisadores.

Sendo assim, surgiu a idéia de pesquisar e destacar a trajetória comunicacional de pesquisadores importantes na área das Relações Públicas. A princípio concentrei meus estudos no resgate da Memória do Eduardo Pinheiro Lobo, pioneiro da difusão das técnicas de Relações Públicas no Brasil. Deste trabalho, resultou meu projeto de Conclusão de Curso de Comunicação Social na Universidade Federal de Alagoas, que conseqüentemente, reuniu fortes subsídios para uma continuidade da pesquisa.

Esta vem sendo desenvolvida hoje no Programa de Pós-Graduação da Universidade Metodista de São Paulo, sob a orientação do Prof. Dr. José Marques de Melo. Como parte integrante dos estudos de mestrado, esta idéia, aprimorada na Disciplina História do Pensamento Comunicacional, possibilitou concentrar-me no estudo da trajetória do Prof. Teobaldo.

Tal projeto, tomou corpo evidenciando que o Prof. Cândido Teobaldo de Andrade é o que melhor representa de forma peculiar as Relações Públicas no Brasil. Paulistano, nascido em 1º de Julho de 1919, filho de Guilherme de Andrade e Maria Francisca de Souza. Casado com Nylza de Souza Andrade, tem dois filhos (Therezinha de Andrade Leal e Luiz Carlos de Souza) e três netos (Thaís, Renata e Luiz Guilherme)

Fundador do Curso de Relações Públicas da Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo (ECA/USP). Fez parte da equipe dos pioneiros que, naquela Instituição, construíram este novo campo de conhecimento, já adquirindo o grau de doutor. Torna-se ainda Livre-Docente e professor titular da ECA/USP.

No decorrer de sua vida profissional, ocupou inúmeras funções e cargos, com destaque o de Consultor Jurídico da Secretaria do Governo do Estado de São Paulo. Na carreira acadêmica, formou inúmero profissional de Relações Públicas e pesquisador científicos, na ECA/USP, entre 1976 e 1993.

É autor de sete livros de Relações Públicas, hoje revisados e ampliados. Participou ativamente de várias entidades associativas, nacionais e internacionais nesta área. Além de escritor, ex-combatente da FEB. Foi jornalista e advogado. Desenvolveu atividades docentes no Curso de Pós-Graduação em Comunicação Social da Universidade Metodista de São Paulo entre o período de 1978 a 1986. Entre outros cargos, é conselheiro permanente da Confederação Interamericana de Relações Públicas.

DESENVOLVIMENTO

         Paulistano, o Prof. Teobaldo iniciou seus estudos nesta cidade em companhia das suas tias, que introduziram os primeiros conhecimentos em sua formação escolar. Formado em Educação Física, em 14 de Março de 1940, tornou-se professor de Educação Física da Escola Superior de Educação Física, atual Faculdade de Educação Física da USP. Ainda muito jovem, seguiu como voluntário para a Guerra. Ao regressar da Itália, tendo deixado no primeiro ano a Faculdade de Direito do Largo de São Francisco, retornou à Faculdade e, por Decreto Federal, cursou dois anos em 6 meses, e, posteriormente, bacharelou-se em Direito, em 14 de Maio de 1949.

         No mesmo ano, desenvolveu atividades de técnico desportivo (Bola ao Cesto e Futebol) da Escola Superior de Educação Física, atual faculdade de Educação Física da USP, em 22 de Dezembro de 1949.

Dentre as inúmeras funções e cargos que exerceu, merece destaque o de encarregado do setor de Relações Públicas do Departamento Estadual de Administração, em São Paulo, entre os anos de 1956 e 1959.

Em 1956 era Consultor Jurídico da Secretaria do Governo do Estado de São Paulo, durante a administração Jânio Quadros. Deram-lhe a incumbência de presidir um processo administrativo contra um colega, redator do serviço público que, à noite, era redator do jornal O Dia. Esse redator, diariamente, na sua coluna, desancava o governo Jânio Quadros. O governador não fez por menos: mandou abrir processo contra o funcionário, alegando incompatibilidade para o exercício do cargo. Teobaldo, no seu parecer, mostrou que compatibilidade.

Claro que o seu parecer desagradou o governador. Em pouco tempo foi transferido da Secretaria do Governo para o Departamento Estadual de Administração. Lá chegando, nesse mesmo ano, iniciou sua trajetória a serviço das Relações Públicas. Pesquisou e estudou os primeiros livros americanos de Relações Públicas os escritores Nielander e Miller, começando a interessar-se pela atividade e estruturando os primeiros cursos de Relações Públicas.

Acabou por fundar o Departamento de Relações Públicas do DEA, tendo em seguida colaborado na elaboração da minuta da portaria que criava os departamentos de Relações Públicas em todos os setores mais importantes da administração estadual. Daí por.diante, atirou-se de corpo e alma à atividade de Relações Públicas, até se transformar na grande autoridade que é hoje.

Sua perseverança continuaria a ser demonstrada na carreira acadêmica. O Prof. Cândido Teobaldo de Souza Andrade desenvolveu um dos primeiros trabalhos acadêmicos sobre o assunto: a monografia Relações Públicas no Governo Estadual, publicada em 1962, quando já exercia o cargo de consultor jurídico da Secretaria do Governo de São Paulo.

         No entanto, o ano de 1967 é marcado pelo auge do grande entusiasmo do Prof. Cândido Teobaldo de Souza Andrade que participava da Associação Brasileira de Relações Públicas. Esta participação inicial contribuiu para a fundação de inúmeras Seções Estaduais da Associação, exercendo, desta maneira, o destacado papel junto aos órgãos Internacionais de Relações Públicas.

         Foi o primeiro a conquistar na USP o grau universitário de Doutor em Comunicação (Relações Públicas), na ECA/USP, em 25 de Abril de 1973, com a tese Relações Públicas e o Interesse Público. A banca era composta por: Prof. Dr. Rolando Morel Pinto (Orientador), Prof. Dr. Egon Schaden, Prof. Dr. Modesto Farina, Prof. Dr. Teófilo Queiroz, Profª. Drª. Francisca Cavalli. Em 1978, conquistou o grau de livre-docente em Relações Públicas Governamentais na ECA/USP, com a tese Relações Públicas na Administração Direta e Indireta e o grau de professor titular na ECA/USP em 15 de Março de 1985.

Segundo o seu percurso literário, destacam-se as obras:

Para Entender Relações Públicas, Edições Loyola, São Paulo, 1993, 4ª edição.

Procura sintetizar os principais conceitos da atividade, explicando o que eram e faziam as Relações Públicas. Define o processo de Relações Públicas em várias atuações, os erros mais freqüentes, o treinamento e formação para as Relações Públicas. Aborda os veículos de comunicação dirigida, conduzindo a comunicação para determinados tipos de públicos ou seções de um público.

Psicossociologia das Relações Públicas, Edições Loyola, São Paulo, 1989, 2ª edição.

Aborda questões direcionadas aos aspectos das organizações modernas no mundo atual, despertando desde já, a responsabilidade social de empresas e entidades, diante do comportamento coletivo, apresentando o conceito de público e opinião pública, ferramentas fundamentais para as Relações Públicas, servem para reafirmar o conceito fundamental, construir uma identidade positiva e produtiva junto à opinião pública e à sociedade de modo geral diante da comunicação com os diferentes públicos.

 Dicionário Profissional de Relações Públicas e Comunicação e Glossário de Termos Anglo-Americanos, Summus Editorial, São Paulo, 1995, 2ª edição.

Este dicionário é apresentado em toda a América Latina, com uma vastidão de conhecimentos e de ampla bibliografia. Em função dos termos ingleses utilizados, este dicionário foi editado juntamente com um vocabulário técnico de termos anglo-americanos utilizados em Relações Públicas e Comunicação.

Panorama Histórico de Relações Públicas, São Paulo, 1972.

         Neste livro, apresenta a origem da expressão "Relações Públicas" surgida em 1882, nos países europeus e América Latina. No Brasil examina a atuação pioneira dos profissionais de Relações Públicas, expondo que o Brasil foi o primeiro país, no mundo, a regulamentar a profissão de Relações Públicas, através da Lei n. 5.377 de 11 de Dezembro de 1967.

Curso de Relações Públicas, Editora Atlas, São Paulo, 1994, 5ª edição.

         Neste livro, o autor apresenta uma linguagem clara e bem estruturada, o conteúdo das mais variadas questões relativas às Relações Públicas. Analisa o Público e a Opinião Pública, a imprensa que determina o aparecimento do público, desde sua formação até a Opinião Pública nos dias de hoje.

         Examina o público e suas relações com o público de modo geral, o público interno, a imprensa, a comunidade, escolas, público misto, concorrentes, poderes públicos, como também decorre as principais funções e estruturas dos serviços de Relações Públicas. Nesta obra, insere o conceito de Relator Público para designar a atividade de Relações Públicas, bem como apresenta as qualificações de um relator público.

Outras obras:

"Soldados Sem Botas" – Contos – Editora Biblos - São Paulo – 1966.

"Le Destin des Relations Publiques" – Francois L. de Martigny – Montreal – 1977 (Co-Autor).

"Administração de Relações Públicas no Governo" – Edições Loyola – São Paulo – 1982.

"Como Administrar Reuniões" – Edições Loyola – S. Paulo – 1995 – 2ª edição.

Com um espírito criador, revelou-se um homem de posição contrária à de muitos dos seus colegas, com relação a alguns tópicos. Em entrevista à autora, abordou, por exemplo, a questão da designação do profissional. "...Acho um absurdo a expressão ‘fulano de tal é Relações Públicas’. Acho que deve ser usada a expressão ‘relator público’, de uso corrente nos países latino-americanos..."

         Outro ponto de que discorda, é o enquadramento da atividade de Relações Públicas na Comunicação. Concorda que Relações Públicas tem muito de Comunicação. Mas observa que elas envolvem tanto a filosofia básica de uma empresa, que engradamento correto deve ser na Administração e não na Comunicação.

         Em suma, por todos estes fatores, e muitos outros, trata-se uma contribuição que a pessoa do Prof. Cândido Teobaldo de Souza Andrade fez em prol do ensino, da pesquisa e principalmente da institucionalização das Relações Públicas no Brasil e na América Latina.

CONCLUSÃO

         "... Homem que não admite a problemática e sim a 'solucionática'..." Esta afirmativa bem define a pessoa do Prof. Teobaldo, como gosta de ser chamado. Portanto, reverenciar sua contribuição nos coloca em contato com outras grandes personalidades que incentivaram e ainda incentivam a profissão das Relações Públicas.

Sendo assim, o Prof. Teobaldo em seu livro Para Entender Relações Públicas, (crê-se que este tenha sido o primeiro livro de Relações Públicas publicado na América do Sul e no Brasil em 1963), merece destaque o fato de que, o autor nos coloca diante da expressão comunicação dirigida, da necessidade de selecionar de conduzir e selecionar a comunicação para determinados tipos de público. Ao contrário dos veículos de comunicação de massa, eles não têm geralmente, grande alcance e não são muito dispendiosos. Supõe-se que em 1963, na inserção da expressão comunicação dirigida, trazendo aos dias de hoje, podemos nos referir ao marketing individualizado, o marketing one-to-one ou marketing pessoal?

De certo que, no lançamento de um de seus livros mais importantes, naquela época, a televisão era o mais novo veículo de comunicação que combina a palavra escrita, oral, efeitos sonoros, imagens fixas ou em movimento. A TV, constituía ainda uma tarefa de principiantes. E o autor ainda sugere: "...é preciso que os homens de Relações Públicas se preparem devidamente para a aplicação, desse novo veículo em suas comunicações, procurando desde já, a exata reação dos telespectadores frente aos programas que vem sendo apresentados..." (p. 157)

Mas, a contribuição do Prof. Teobaldo é inegavelmente importante, no sentido de sistematizar     

a atividade de Relações Públicas. Assim, conclui-se que a atividade de Relações Públicas, é                           

uma atividade efetivamente abrangente, capaz de provocar mudanças onde são

 desenvolvidas, melhorando seus planejamentos na direção do interesse e do bem comum.

Tratando-se da basicamente da essência de Relações Públicas, é evidente que a mudança nas tecnologias, nos modos e nos meios de se por em prática as ações de Relações.Públicas, conspiram para uma releitura da atividade de Relações Públicas. Sendo que o cuidado com o público, presente nas obras do Prof. Teobaldo, estará sempre presente e sem isto não estará sendo feita uma prática de Relações Públicas.

A sua presença na área de Relações Públicas, transmite o significado e importância presente nos profissionais de Relações Públicas e estudiosos de uma área consolidada pelo entusiasmo, perseverança e principalmente competência profissional do Prof. Teobaldo, que como poucos soube harmonizar os interesses de uma categoria que adquiriu e ainda está por adquirir ,no decorrer desta trajetória, uma consolidação teórica para a formação do profissional de Relações Públicas. Com a união de esforços neste sentido, será possível efetivar o avanço neste campo, sem desmerecer o estágio já alcançado.

Neste sentindo, demonstrar que com sabedoria e obediência aos princípios éticos da profissão, aliado ao legado de grandes pesquisadores e difusores de uma área de conhecimento, nós, profissionais de Relações Públicas, reafirmamos e adquirimos uma visão panorâmica da nossa história, que hoje, avança aceleradamente para o futuro.

      Fato este, já confirmado numa publicação da Revista Propaganda (n. 233, p. 31, dez. 1975), em que o Prof. Teobaldo acha o Brasil muito adiantado no setor de Relações Públicas. "...Somos o vice-campeão. Só perdemos para os Estados Unidos..."

Acha que há, contudo, alguns senões. Dentre eles, falta de teoria específica para a situação brasileira. Falta a conscientização, por muitos profissionais, de que são mais assessores da empresa que meros executantes da comunicação. Falta mais pesquisa e mais avaliação de resultados.

---------------------

BIBLIOGRAFIA

CODIC, Yves Francois. A ciência da informação. Brasília, DF: Briquet de Lemos/ Livros, 1996.

PERUZZO, Cicília. Manual para elaboração e apresentação de relatório de qualificação, dissertação de Mestrado e tese de Doutorado em Comunicação Social. UMESP, São Bernardo do Campo, 1999.

MELO, José Marques de Melo et all. Pensamento Comunicacional Brasileiro: o grupo de São Bernardo (1987–1998). UMESP,

São Bernardo do Campo, 1999.

KUNSCH, Margarida Maria Krohling. Vinte anos de Ciências da Comunicação no Brasil : Avaliação e Perspectivas. Org. Maria Immacolata Vassalo Lopes. UNISANTA, São Paulo, 1999.

KUNSCH, Margarida Maria Krohling. Universidade e Comunicação na edificação da sociedade. São Paulo: Loyola, 1992.

---------------------

Comunicação apresentada ao GT de Relações Públicas da Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares – INTERCOM, no XXIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, realizado de 2 a 6 de setembro de 2000 na Universidade do Amazonas, Manaus – AM


TEOBALDO PASÓ A LA POSTERIDAD

Así de simple. El maestro de las Relaciones Públicas del Brasil y de América no ha muerto. Su presencia, sus enseñanzas, su apacible figura de hombre bueno, seguirá permanentemente junto a quienes tuvimos el privilegio de conocerlo, de tratarlo, de admirarlo, de compartir su amistad.

Conocí a Teobaldo de Souza Andrade en mi tierra uruguaya en la primavera de 1965,

cuando la ciudad de Montevideo fue sede de la VI Conferencia Interamericana de RRPP, prueba de fuego para la joven AURP. Compartimos luego la mesa directiva de la FIARP primero y la CONFIARP despues por casi cuatro décadas.

Fue Presidente de la entonces FIARP en 1973-74 y en su mandato la Institución se reunió por primera vez en los Estados Unidos conjuntamente con la PRSA. También propulsó la incorporación de la Federación como miembro consultor no gubernamental de las Naciones Unidas.

La enseñanza de las Relaciones Públicas lo tuvo como incansable protagonista en su cátedra en distintas universidades. Promovió , junto con el colombiano Humberto López, la creación de la Comisión Interamericana para la Enseñanza de las Relaciones Públicas - CIPERP y en 1979 su aporte fue decisivo para la fundación del Centro Interamericano de Estudios Superiores de Relaciones Públicas - CIESURP, - brazo académico de la CONFIARP- y su gestión en las universidades brasileñas de Paraná y Londrina. Como actividad del CIESURP elaboró en 1990 la Bibliografía Latinoamericana de RRPP, única en nuestro continente.

Son de su autoría los primeros libros sobre RRPP publicados en América. Tengo el privilegio de reunir en mi biblioteca sus 7 obras, todas ellas con dedicatorias que mucho valoro.

En 1980 reunidos en el I Foro Regional de RRPP de la Zona Sur, en Santiago de Chile, me impuso la gran tarea de organizar en Montevideo un Encuentro Interamericano de Profesores de RRPPque precedió al Primer Encuentro Mundial de Profesores de RRPP realizado en 1983 en Punta del Este, en el cual compartimos la Presidencia con Teobaldo y Arturo Jesurun, éste en representación de IPRA.

Como Consejero Permanente de nuestra institución continental asumió rol protagónico cuando en 1985 en Asunción del Paraguay, bajo mi Presidencia, la entonces FIARP se convirtió en CONFIARP, hito memorable para las auténticas RRPP de América. La adecuación de los Estatutos contó con su aval como connotado abogado.

En una visión plena de nostalgias evoco nuestros sucesivos encuentros en Sao Paulo, Rio de Janeiro, Belho Horizonte, Bahia, Lima, Quito, Bogotá, Miami, Caracas, Buenos Aires, Santiago de Chile, México y en nuestro suelo de Uruguay. Lo recuerdo en 1965, en ocasión de la VI Conferencia, en la cual integró la Comisión sobre Relaciones Públicas Gubernamentales, y que me tocara oficiar de anfitrión y en especial un soleado mediodía cuando junto a Federico Sánchez Fogarty (el fundador de la FIARP) a Julio Segundo Grooscors, de Venezuela, y Benjamín Vargas, de Perú, admiró los rasgos arquitectónicos de nuestro histórico Club Uruguay, la Catedral Metropolitana y el antiguo Cabildo, situados en la Plaza Matriz de Montevideo.

Concurrente asiduo a los eventos uruguayos, la AURP lo designó hace algunos años, Socio Honorario.

Fue en Porto Alegre, en el III Foro Iberoamericano de RRPP y XL Reunión Anual de la CONFIARP en 1999 cuando lo ví por última vez. Allí le obsequié el libro de reciente aparición "Relaciones Públicas Superiores" y con su sentido crítico, observando los títulos de los capítulos me dijo: "Senaqui (como solía nombrarme en portugués) cuidado con el manejo de la Imagen, no olvides el sentido y el alcance del Concepto Público". Y como siempre tenía razón.

La pasión futbolística por su Corinthians de Sao Paulo fue otro de sus rasgos más típicos. Asimilaba con hidalguía las chanzas que sobre el rendimiento de su equipo solía hacerle.

Teobaldo no sólo será el referente histórico de las RRPP en el Brasil, sino que formó discípulos que son hoy profesionales prominentes, como María Stella Thomazi, que fuera Vicepresidenta de la Zona Sur de CONFIARP y preside actualmente el Directorio Nacional de la Asociación Brasileña de Relaciones Públicas y muchos más. Sus hijos Terezinha y Luiz Carlos siguen su huella.

En lo personal el recuerdo de Teobaldo seguirá inalterable junto a mis queridos muertos como Osvaldo Castaño, Andrés Corvetto, Kike Rogers, Luis Viteri Huerta, Radeck Balcarcel, Claudio Blanco, Jorge Cornejo y tantos otros que desde el más allá nos acompañarán por siempre.

Reza la antigua sentencia germana que "Nada en el Cosmos se pierde, todo sigue actuando eternamente aunque invisible"...De Teobaldo de Andrade quedará inconmovible un tizón encendido, cual imperecedero símbolo de su tránsito por la CONFIARP y su devoción por las genuinas RRPP de América.

Prof. Román Pérez Senac, Dr. h.c.

Past Presidente Inmediato de CONFIARP

Consejero Permanente

Consejero Académico del CIESURP

Presidente de la Asociación Uruguaya de RRPP - AURP

 


Querido Wilson,

 Nos enteramos de la desgraciada noticia. Nuestro más sentido pésame a toda la comunidad profesional brasileña que se acongoja con la muerte de tan distinguido precursor de nuestra actividad en Latinoamérica.

Naturalmente, hemos hecho saber de la noticia a nuestros lectores -sección "Más Noticias"- junto con una Nota Necrológica escrita por nuestro amigo al Profesor Román Pérez Senac.
 
Vaya mi respetuoso y sentido saludo.
 
Antonio Di Génova
 
----- Original Message -----
From: Relaçoes Públicas
To: Antonio Di Genova (Red RRPP)
Sent: Wednesday, August 13, 2003 7:21 PM
Subject: nota de falecimento

Prezado Antonio.
 
Veja quem faleceu.
 
Wilson
  

AS RELAÇÕES PÚBLICAS DE LUTO
Registramos o falecimento do Dr. Candido Teobaldo de Souza Andrade,ocorrido na madrugada de hoje, em São Paulo.
O Dr. Teobaldo foi quem implantou e mais divulgou as relações públicas no Brasil
e conseguiu ultrapassar fronteiras disseminando a visão brasileira
da atividade em outros países. Destacou-se por sua disciplina; transmitiu a importância e o valor da área com incontestável precisão.

 Quem leu suas obras ou conheceu o que ele ensinou, aprendeu para sempre.

São Paulo, dia  7 de agosto de 2003

MISSA DE 7o DIA

Será celebrada na Igreja N. S. do Brasil, em São Paulo, (Av.Brasil com rua Colômbia)

dia 14 de agosto, 5a feira, às 11 horas

 


 

 
----- Original Message -----
From: Santos Aquino Rubio <aquinorubio@hotmail.com>
Sent: Tuesday, August 12, 2003 8:48 PM
Subject: Re: falecimento do Prof. Dr. Candido Teobaldo de Souza Andrade


Siento mucho el fallecimiento del distinguido profesor Dr. Teobaldo de Souza
Andrade. Con él perdemos a unoi de los mejores exponentes de las Relaciones
Públicas en el continente. República Dominicana se une al dolor de Brasil y
de la familia hispanoamericana. Paz a sus restos y honor a su legado.

Santos Aquino Rubio
Cidoprep-Ciuesurp.
aquinorubio@hotmail.com

 


 

    En Venezuela y en la Zona Centro de CONFIARP lamentamos el fallecimiento del Dr. Cándido Teobaldo de Souza Andrade, Maestro del Relacionismo latinoamericano. Es una pérdida irreparable. Debemos honrar su memoria en el próximo Consejo Directivo y en el V Foro Internacional de CONFIARP.
 
    Un saludo cordial,
 
 
 
                            Julio Corredor
 

Estimados(as)colegas de Brasil:

La Asociación de Relaciones Públicas de Nicaragua, lamenta la perdida del Dr. Candido Teobaldo, destacado profesional de las Relaciones Públicas en su país.  Sabemos que su legado hará eco en los miles y miles de brasileños(as) que han dedicado su vida con el don de la palabra a tan prestigiada profesión.

Atentamente,

María de los Angeles Siezar

Presidenta de la Asociación de Relaciones Públicas de Nicaragua

From: Relaçoes Públicas

To: , , , , , , , , , , , , , , ,

Subject: falecimento do Prof. Dr. Candido Teobaldo de Souza Andrade
Date: Mon, 11 Aug 2003 21:01:10 -0300
 
 
A nombre del Círculo de Relacionistas Públicos de Cuba y de la Vicepresidencia de la Zona norte de CONFIARP, expresamos las más sinceras condolencias por la irreparable pérdida que para las Relaciones Públicas continentales tiene el fallecimiento del Profesor Teobaldo de Souza Andrade. Los profesionales que le conocimos, que hemos apostado en nuestros respectivos países por el fortalecimiento y consolidación de las Relaciones Públicas, estaremos obligados siempre a recurrir a sus enseñanzas, a seguir el ejemplo de quien se caracterizó por un elevado concepto de la ética desde los primeros momentos en que y puso a disposición de los más noveles todas sus experiencias.
 
Ciertamente, las Relaciones Públicas están de luto. Este mismo sentimiento compartimos.
 
Sinceramente,
 
Rebeca Galán
Vicepresidenta de la CONFIARP
Zona norte

Aos colegas de profissão,
 
É com profunda tristeza que recebo a noticia do falecimento do ilustre e querido Professor Teobaldo, mas é com alegria que lembro seus sabios e profundos ensinamentos sobre a nossa profissão, e ainda mais da vida.
 
Lutar era o seu lema ... tema esse que ficará entre muitos, principalmente entre os que tiveram a felicidade de conviver e aprender com ele. Lutou até os seus ultimos dias, com alegria e fé de dias melhores.
 
Peço que esta mensagem seja enviada a Teresinha Andrade Leal, e com ela, e a ela em especial, deixo meu grande, sentido e forte abraço.
 
Luciano Spina França
CONRERP SP 1381

 

Curso de Relações Públicas da UMESP entrega

Prêmio Cândido Teobaldo de Souza Andrade

O encerramento solene do curso Relações Públicas aconteceu no dia 7 de dezembro em cerimônia oficial, realizada no anfiteatro Sigma, com a presença dos formandos, de seus familiares e dos professores. Compareceram como convidados de honra a Vice-Reitora Acadêmica da UMESP, Profa. Dra. Rinalva Cassiano Silva;  a Diretora do curso de Relações Públicas, Profa. Dra. Maria Aparecida Ferrari; e o professor Dr. Cândido Teobaldo de Souza Andrade, convidado especial da noite.

Duas premiações foram apresentadas: "Talento Metodista", prêmio concedido ao melhor Projeto Experimental do ano;  e o prêmio Cândido Teobaldo de Souza Andrade, criado este ano e destinado ao melhor aluno do curso de Relações Públicas, considerando todo o período de sua duração.

Os três Projetos Experimentais colocados nos primeiros lugares foram: 

Em 3º lugar,  Aloha! Assessoria de Relações Pública. Cliente atendido: Lar do Alvorecer. Equipe ganhadora: Albano Gomes dos Santos Neto, Ângela Halk Villa, Carolina de Oliveira, Renata Giugliani e Tatiana Emiye Kubota.

Em 2º lugar foi ganhadora a equipe T4A Gestão de Comunicação: Cliente  atendido: Posto de Bombeiro Jardim do Mar. Formandos: Alessandra de Almeida Silva, Ana Cristina Bartmann, Ana Paula Souza Taibo, Andrezza Stefanutto Baldi e Thaís Germano Pereira.

O  lugar ficou o projeto desenvolvido para a Ação Social Nossa Senhora de Fátima pela equipe RpCom, que foi a ganhadora do prêmio e troféu "Talento Metodista 2001". Arlete Braglia Cláudia Regina Ranzani Macedo, Elide Puga, Tatiane Sant’Ana, Vivian Yoshie Yamashita.

A entrega do prêmio Cândido Teobaldo de Souza Andrade foi precedida de elogio ao emérito professor Teobaldo feito pelo professor Fábio França e das palavras da Vice-Reitora, que manifestou seu contentamento pela iniciativa do curso de Relações Públicas, ressaltando a importância da iniciativa da diretoria do curso, para estimular os jovens e para a melhoria constante do ensino oferecido pela Metodista. A própria Vice-Reitora fez a leitura do pergaminho oferecido ao Dr. Candido Teobaldo de Souza Andrade, que deu nome ao prêmio concedido ao melhor aluno do cursoEm 2001, a contemplada com o prêmio foi a aluna Arlete Braglia, com a nota global 9,15. 

Canal RP/Universidade Metodista Ano II - Número 29   11 de dezembro de 2001 - inserido em setembro de 2003

 


HOMENAGEM DA FAJORP

 

“O nome de Cândido Teobaldo de Souza Andrade é sinônimo das Relações Públicas. Sua  pródiga trajetória o levou a ser o maior divulgador das Relações Públicas  no Brasil.

Ele foi meu professor e orientador. Lembro-me como se fosse hoje de suas aulas que passavam dos momentos de descontração à rigidez militar na observância dos horários de aula.

Figura impar, o “mestre Teobaldo” é merecedor do lugar que ocupa entre aqueles que levam a profissão de Relações Públicas  como um sacerdócio baseado na ética e no amor à profissão que leva a ultrapassar as fronteiras do cotidiano comum. Foi amado por muitos e questionado por outros. Mas sua energia e disposição para o debate nunca lhe faltaram.

Com sua partida a responsabilidade dos profissionais de Relações Públicas aumenta, pois não é tarefa fácil acompanhar os passos largos do mestre, sua persistente vontade de conseguir seu ideário e manter permanentemente a busca pela integração da profissão na América Latina.

Obrigada por iluminar nosso caminho. Caberá a nós mantê-lo aceso!”

 Profa. Dra. Maria Aparecida Ferrari, Diretora da Faculdade de Jornalismo e Relações Públicas da Universidade Metodista de São Paulo,

 

O Professor Dr. Cândido Teobaldo de Souza Andrade, a quem costumamos chamar de Mestre, representa, sem dúvida, a maior autoridade das Relações Públicas no Brasil. Foi ele que, pela sua ampla formação universitária, compreendeu, desde a primeira hora, o alcance da atividade e abraçou sua causa, criando condições para que fosse compreendida, implantada e consolidada no Brasil. Isso ele o fez pela criação da primeira legislação sobre a atividade, pela participação  na fundação da Associação Brasileira de Relações Públicas e pelas parcerias com entidades internacionais, projetando as Relações Públicas brasileiras no exterior. Os conceitos que defendeu em seus vários livros sobre Relações Públicas  formaram o primeiro corpo de doutrina, de validade permanente, desta atividade entre nós. Suas idéias colocam-se de maneira afinada ao lado das teorias desenvolvidas por autores atuais, o que demonstra que Mestre Teobaldo ensinou para sempre a seus alunos e a quantos professores orientou ao longo de sua vida dedicada à promoção das Relações Públicas  brasileiras.

Merece admiração, o respeito e as homenagens de todos os profissionais que com ele conviveram e aprenderam”.

Profa. Dr. Fabio França, Coordenador dos Projetos Experimentais da Universidade Metodista de São Paulo,

 


PRÊMIO CÂNDIDO TEOBALDO DE SOUZA ANDRADE

 

Desde 2001, a Diretoria da FAJORP confere ao melhor aluno de Relações Públicas o “Prêmio Cândido Teobaldo de Souza Andrade”. Criado por iniciativa da Profa. Dra. Maria Aparecida Ferrari, o prêmio distingue, entre os formandos, o aluno que alcança o melhor resultado na somatória das notas de todas as disciplinas que compõem a grade curricular dos oito semestres do curso.

“A idéia era valorizar esse aluno, conferindo-lhe um prêmio com a chancela de um nome de reconhecida importância no contexto das Relações Públicas. O nome de maior relevância era - e ainda continua sendo - o de Cândido Teobaldo de Souza Andrade. Se hoje temos Relações Públicas no Brasil, em grande parte devemos ao seu pioneirismo, principalmente no que se relaciona a sua sistematização cientifica”, afirma a profa. Aparecida.

A primeira versão do Prêmio aconteceu na noite de 7 de dezembro de 2001, quando a formanda Arlete Braglia recebeu o prêmio, pela primeira vez, das mãos do próprio Prof. Teobaldo. “Senti-me muito honrada”, disse ela, “principalmente porque também tive a possibilidade de homenagear o grande prof. Cândido Teobaldo. Ficará gravado  para sempre na minha memória como um dia de vitória, um dia muito, muito especial”.

Contemplada em 2002, Daniela Trolesi afirma que, para ela, “o prêmio teve diversos significados: o reconhecimento pela dedicação ao curso e aos estudos; uma referência a mais em meu currículo e em minha trajetória acadêmico-profissional; a alegria de receber um Prêmio de uma das Universidades mais conceituadas na área de Comunicação Social; e, finalmente, um incentivo para trabalhar, cada vez mais, pelo desenvolvimento da profissão no país.”

Essa homenagem permitiu testemunhar ao professor Cândido Teobaldo, ainda em vida, o reconhecimento das novas gerações por sua longa trajetória de pesquisador, de estudioso, e de professor das questões relacionadas às Relações Públicas  no Brasil.

 

Rpcom especial, publicação mensal do Curso de Relações Públicas  da Universidade Metodista de São Paulo, Ano III, Número 12, pg. 8, de  20  de agosto de 2003.

 


MESTRE TEOBALDO

 

Unânimes são hoje, após seu desaparecimento, as opiniões sobre o professor Cândido Teobaldo de Souza Andrade - Mestre Teobaldo, como passou a ser chamado não só pelos alunos que orientou, mas por quantos conviveram com ele e acompanharam  sua carreira de estudioso, belicoso, controvertido, acadêmico, primeiro doutor e livre-docente em Relações Públicas no Brasil, como gostava de se proclamar. Embora não tivesse provas, nem contestação, dizia também que poderia se considerar o primeiro acadêmico a  obter tal distinção no mundo. Assim era aquele que se tornou por mérito insofismável, pela dedicação e conhecimento, o Mestre primeiro e destemido de todos no domínio teórico  e no exercício da atividade de Relações Públicas  praticada à moda brasileira.

A unanimidade no elogio  ao professor Teobaldo não é bajulação, nem o reconhecimento  tardio de seus méritos. Em vida, deu testemunhos inequívocos de sua forte personalidade, de seu saber e de sua capacidade de trabalho e foi por todos reconhecido e admirado, interna e externamente.

Por isso, quando decidimos homenageá-lo como patrono de um Prêmio, a ser dado ao melhor aluno do curso de Relações Públicas da Metodista, lutamos por fazê-lo enquanto estava entre nós. Empenhamo-nos em trazê-lo à Universidade Metodista e em colocá-lo no meio dos estudantes com os quais compartilhou as lides acadêmicas durante a maior parte de sua vida.

Emocionou-se pela homenagem recebida e com lágrimas nos olhos agradeceu quando os jovens espontaneamente o aclamaram em coro Teo... Teo... Teo... afirmando que gostava muito de ser assim chamado por eles.

Hoje, em reconhecimento e homenagem à memória do insigne Mestre, dedicamos este número especial do Rpcom, preparado pelos alunos do curso de Relações Públicas. Nossa expectativa é a de que todos que militam no campo das Relações Públicas sigam o exemplo singular do professor Teobaldo, pratiquem as lições perenes que nos deixou e lutem como ele pela valorização e pela promoção de uma atividade que do nada transformou na grandeza de sua vida, conferindo-lhe o titulo perene de Mestre Teobaldo.

 

Profa. Dra. Maria Aparecida Ferrari, Diretora da Faculdade de Jornalismo e Relações Públicas, no Rpcom especial, publicação mensal do Curso de Relações Públicas  da Universidade Metodista de São Paulo, Ano III, Número 12, de  20  de agosto de 2003. 

 


CÂNDIDO TEOBALDO, O PIONEIRO

 

A comunidade de Relações Públicas do Brasil ficou, desde o dia 7 de agosto, sem uma de suas principais referências - o professor Cândido Teobaldo de Souza Andrade.

O professor Teobaldo teve a sua vida marcada pelo pioneirismo. Autor do primeiro livro de Relações Públicas escrito por um brasileiro foi, também, o primeiro a conquistar o titulo de doutor e livre-docente em Relações Públicas, no Brasil e no mundo. Foi, ainda, fundador do Curso de Relações Públicas na ECA/USP, responsável pela formação de uma geração de profissionais que hoje desponta na condução das Relações Públicas  no país.

Conhecido no meio acadêmico pela sua vasta produção científica, além de autor da primeira obra de Relações Públicas - o livro Para entender Relações Públicas (1962) - publicou ainda: Curso de Relações Públicas  (recentemente publicado em sua 6a.edição, revista e ampliada), Psicossociologia das Relações Públicas, Dicionário Profissional de Relações Públicas  e Comunicação, Administração de Relações Públicas  no Governo e Como administrar reuniões. Além dos livros, mais de 50 artigos foram publicados em anais de eventos, revistas e jornais nacionais e internacionais.

Foi um batalhador pela institucionalização das Relações Públicas: um dos fundadores da ABRP  e integrante do grupo que lutou pela regulamentação da profissão, conseguida com a Lei 5377/67, que disciplina a profissão no país.

Participou ativamente das entidades de classe, de modo especial da ABRP, sendo presidente da ABRP/SP, embrião para a entidade no país. Foi, ainda, duas vezes presidente do Conselho nacional (CN) da ABRP, hoje denominado Diretório Nacional (DN). Também presidiu a Federação  Interamericana de Relações Públicas  - FIARP (hoje CONFIARP).

Prestar uma homenagem ao professor Teobaldo não é uma tarefa fácil, pois o simples relato de sua biografia e seus feitos pela profissão exigiria um grande espaço. Ele teve, em vida, oportunidade de recebê-las, num reconhecimento à sua atuação: no exterior, recebeu comenda da Universidade de Barcelona; os troféus “El Chasqui de Plata”, da FIARP; “Bronce”, do Centro Interamericano de Pesquisa e Documentação de Relações Públicas de Bogotá e o “El Guarany”, da Associação Paraguaia de Profissionais de Relações Públicas de Assunción.

No Brasil, recebeu o título de Professor Emérito da ECA/USP; a comenda maior da ABRP/Nacional - a Medalha de Mérito Eduardo Pinheiro Lobo; dá nome ao Diretório Acadêmico da ESURP - Escola Superior de Relações Públicas/Recife; e, mais recentemente (2001), a Universidade Metodista de São Paulo - UMESP deu o seu nome ao prêmio conferido ao melhor aluno de cada turma de Relações Públicas, pelo conjunto de seu desempeno no curso. Em São Luís, denomina a sala da Diretoria da sede da ABRP/A. 

O professor Teobaldo, pela sua atuação na área de Relações Públicas, é conhecido de todos. Mas, talvez, poucos saibam que ele fez parte da Força Expedicionária Brasileira nos campos de guerra da Itália; que é autor de um livro de contos “O soldado sem botas”, sobre o qual, nas conversas entre amigos fazia questão de mencionar; que era um exímio ‘pé-de-valsa’,  torcedor fanático do Corinthians e da Escola de Samba Vai-vai, e fã de doces caseiros, principalmente os de Salomé, feitos em São Luís.

A nossa maior homenagem é reverenciar sua memória, enaltecendo sua bibliografia como referência entre os autores clássicos de Relações Públicas, e tê-lo como modelo de perseverança, de persistência e, às vezes, de intransigência na luta pela manutenção do merecido destaque que as Relações Públicas alcançaram no Brasil. O “Status” conseguido, em grande parte, se deve aos pioneiros, como o professor Cândido Teobaldo.

Com a permissão de sua esposa, D.Nylza e de seus filhos, Terezinha e Luiz Carlos, o professor Teobaldo deixa a saudade daquele que foi, um pouco, pai e avô de toda a atual geração de profissionais de Relações Públicas  do Brasil.

 

RPalternativo, house organ -laboratório da disciplina Redação em Relações Públicas II ,Universidade Federal do Maranhão, Ano 11, Número 21, pg.20, 1o. semestre de 2003, por Adeilce Gomes de Azevedo, professora do Depto de Comunicação Social/ UFMA, especialista em RRPP, presidente da ABRP-MA.. 

 


CÂNDIDO TEOBALDO

A HISTÓRIA DE SUA VIDA

 

Cândido Teobaldo de Souza Andrade nasceu em São Paulo, Capital. Em 14 de março de 1940 formou-se, na Universidade de São Paulo, em Educação Física, lecionando deste então, até 1956. Em 1944, iniciou a faculdade de Direito no Largo São Francisco, curso que teve de interromper por ter-se alistado no exército como voluntário para a II Grande Guerra.

Ao regressar da Itália, retomou seus estudos e, por Decreto Federal, cursou dois anos em 6 meses, bacharelando-se em Direito, em 14 de maio de 1949.

O Dr. Teobaldo foi o primeiro acadêmico livre-docente em Relações Públicas no Brasil.

Distinguiu-se como pioneiro na implantação da atividade e no seu desenvolvimento, tendo participado da abertura de diversos cursos e entidades de classe. Deixou-nos uma preciosa coleção de obras sobre a nossa profissão. Por sua dedicação, tornou-se líder dos profissionais de Relações Públicas  e o principal defensor da atividade no Brasil e na América Latina.

 

1954 - Um dos fundadores da Associação Brasileira de Relações Públicas  - ABRP

1956 - Departamento Estadual de Administração (DEA), durante o governo Jânio Quadros,

            iniciando sua trajetória a serviço das Relações Públicas 

1957 - Fundou o Departamento de Relações Públicas do DEA e colaborou para a criação de

            outros nos setores mais importantes da administração estadual

1962 - Edita um dos primeiros trabalhos acadêmicos sobre o assunto, a monografia Relações

            Públicas  no Governo Estadual;

         - 1o. livro da América do Sul  sobre Relações Públicas  - Para entender Relações Públicas, 

            Editora Biblos.

1964 - Trabalhou na Seção Regional de São Paulo da ABRP

1966 - Implantou o curso de Relações Públicas  da ECA-USP

1967 - Fundação de diversas seções estaduais da ABRP e

           Regulamentação da Profissão, lei no. 5.377

1968 - Iniciou seu trabalho na seção nacional da ABRP-DF;

         - Integrante da Federación Interamericana de Associaciones de Relaciones Públicas

           (FIARP) 

1969 - Profissional de Relações Públicas  - Registro  21 - São Paulo

1972 - Sócio honorário da Associación Paraguaya de Professionales de Relaciones Públicas

1973 - Tese “Relações Públicas  e o Interesse Público”  apresentada ao Departamento de

            Relações Públicas e Propaganda da Escola de Comunicação e Artes da USP;

         - Sócio Benemérito da Seção Regional de Pernambuco da ABRP;

         - Sócio honorário das: Associación Uruguaya de Relaciones Publicas e a Associación

           Argentina de Relaciones Públicas;

         - Troféu “Bronce” do Centro Interamericano de Pesquisa e Documentação de Relações

            Públicas 

         - “El Guarani” da Associación Paraguaya de Professionales de Relaciones Públicas;

         - Voto de júbilo e Louvor da Câmara Municipal de São Paulo pelo doutoramento em

            Relações Públicas;

         - Diretório Acadêmico Dr Cândido Teobaldo de Souza Andrade - Escola Superior de                    

            Relações Públicas, em Recife.

 

 Rpcom especial, publicação mensal do Curso de Relações Públicas  da Universidade Metodista de São Paulo, Ano III, Número 12, pg.2, de  20  de agosto de 2003

 


 

CURRICULUM

CÂNDIDO TEOBALDO DE SOUZA ANDRADE

 A TRAJETÓRIA DE UM RELAÇÕES PÚBLICAS