Resultados

WPP lucra US$ 366 milhões

Rodrigo Squizato* de São Paulo

O grupo britânico WPP anunciou ontem que obteve lucro de US 366,7 milhões no primeiro semestre do ano, uma queda de 10,8%  sobre o mesmo período de 2001. A receita caiu 2%, para US$ 2,83 bilhões, devido a recessão no mercado norte americano.  Descontada a variação cambial entre 2001  e 2002, a receita ficou estável.

Nos Estados Unidos, as empresas do grupo – que incluem as redes globais de agências Ogilvy & Mather, J. Walther Thompson e Y & R -, registraram queda de 6,3% . Já no Reino Unido, a receita aumentou 3,9% - a preços constantes.  Entre diversas áreas de atuação, a única que apresentou retração, descontada a variação cambial foi a de Relações Públicas, com uma queda de 13%. As empresas de consultoria apresentaram a maior taxa de crescimento, 6,8%. Publicidade e mídia registrara, um aumento de 05%, enquanto branding healthcare e outros serviços especializados tiveram aumento de 0,1%.

Apesar do aumento das receitas na área de consultoria, o WPP informou que as margens operacionais caíram , em virtude do impacto da recessão. O mesmo ocorreu com os serviços especializados e branding. Embora o desempenho de algumas empresas do setor tenha sido destacado no relatório do grupo.

O CEO do grupo, Martin Sorrell, declarou há poucos meses que só espera recuperação do mercado em 2004 e que, diante deste quadro, considera difícil alcançar a margem operacional de 14% registrada no ano passado.

(*com agências internacionais)

Fonte: Mídia e Marketing. Gazeta Mercantil, pág. C-6, quarta-feira, 21 de agosto de 2002.