CDN FECHA ACORDO COM LIDER MUNDIAL EM RP

 

Depois de um longo processo de negociação, que levou mais de dois anos, a Cia. de Notícias (CDN) selou ontem um acordo operacional com a Fleishman-Hillard, líder mundial no segmento de Relações Públicas (RP), com faturamento de US$ 345 milhões em 2001.  O encontro marca a entrada da bandeira, que pertence ao grupo de comunicação Omnicom, no Brasil. Por enquanto, o acordo não envolve troca de ações entre as duas partes.

“As negociações evoluíram de venda de 20% até 49% de participação, mas decidimos fechar esse acordo operacional paralelamente às conversas de associação”, explica João Rodarte, sócio-fundador da CDN. Rodarte afirma que preferiu “esperar” para ver como se comporta a economia no na que vem. “Veremos como funciona na prática antes de acertarmos a sociedade.”

Ao completar 15 anos de vida, e como líder nacional n setor, a CDN vai crescer 17% neste ano, passando de um faturamento de R$ 16,2 milhões para R$ 19 milhões. Rodarte não faz previsões sobre incremento de receita com a parceria, mas destaca o ganho de competitividade ao agregar know-how internacional à marca.

 A maior recompensa está no acesso à informação e treinamento. Ao contrário do Brasil, as empresas americanas analisam detalhadamente cada projeto desenvolvido, criando um imenso banco de dados sobre soluções de relações públicas “, diz Rodarte. 

Além do acordo, a CDN também fez reformulações em seu organograma, agregando mais três sócios:Andrew Greenlees, Marília Stabile e Inácio Muzzi. Fecham o time de sócios o próprio Rodarte, além de Yara Peres e Cláudio Pereira.

Para a Fleishman-Hillard, o acordo representa um projeto antigo. A companhia já estava em toda a América Latina, menos no Brasil. “É um sonho que virou realidade. Passamos seis anos procurando um parceiro de peso no país e finalmente conseguimos”, resume Carmen Baez, presidente da Diversified Agency Services (DAS), divisão ligada a atividades de “não-mídia” do Omnicom.

A Fleishman-Hillard vai engrossar um grupo de mais quatro empresas da DAS no Brasil: Rapp Collins (marketing direto), Interbrand (consultoria de marcas), In Press Porter Novelli (RP) e Ketchum Estratégia (RP). O Brasil corresponde por cerca de 50% do faturamento da DAS na América Latina. O Omnicom também atua no país com as agências de propaganda AmapBBDO, DM9DDB e TBWA.

Jornal Valor Econômico - SP - Seção Empresas & Tecnologia - pg. B3 - 17/12/2002, por Arnaldo Comin.