ATLAS DA ENERGIA ELÉTRICA DO BRASIL

Empresa

ANEEL – Agência Nacional de Energia Elétrica

Profissional Responsável

Maria Alice Dalledone Machado

Ano da Premiação

2002

 

Entre l999 e 2002 a Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), com o apoio da Organização Mundial de Meteorologia (OMM), reuniu em um único volume o conjunto mais completo de informações sobre o setor energético brasileiro.

 

O Atlas de Energia Elétrica do Brasil  é um documento sem precedentes na história do País.  Representa um raio-X dos caminhos que o Brasil já percorreu e que pode percorrer no campo energético, agora, sob a ótica da realidade de competitividade, estabelecida após as reformas conduzidas pelo Governo Federal.

 

O setor energético já havia sentido a necessidade de um produto como este há muito tempo. Faltavam a concepção e a articulação para fazer o trabalho, o que só se mostrou viável a partir da estruturação da ANEEL.

 

O Atlas foi concebido para aprimorar a atuação da ANEEL. No entanto a equipe responsável por sua elaboração vislumbrou que poderia ser um instrumento crucial para a tomada de decisões por parte de potenciais investidores nacionais e estrangeiros. E mais ainda: apontar o potencial energético das mais variadas localidades brasileiras, indicando, em detalhes, onde se pode explorar a energia advinda da força dos ventos, da luz solar e até de óleos vegetais, entre outras fontes. O Atlas se configurou em uma importante fonte de consulta para a comunidade acadêmica, interessada em produzir teses e projetos na área energética.

 

Um terceiro aspecto importantíssimo do Atlas de Energia Elétrica do Brasil surpreende quem não participou diretamente de sua organização. O trabalho serve como base para que políticas e a;coes sejam planejadas e executadas, de modo a preservar o meio ambiente e melhorar sensivelmente a qualidade de vida de quem mora no campo, nas grandes e pequenas cidades e em comunidades isoladas, muitas, até então sem acesso à eletricidade. Isso em razão de o Atlas reunir, além de informações técnicas sobre o setor energético e o potencial de cada  região, dados socioeconômicos e ambientais detalhados, levantados por  instituições de renome, como a Fundação IBGE.

Concluído o trabalho, a Área de Comunicação da Aneel, tendo em sua equipe profissionais de Relações Públicas, passou a traçar a estratégia de comunicação dirigida a alguns “mailing lists”específicos, envolvendo, principalmente, pesquisadores, universitários, organizações não governamentais e também ligadas aos governos Federal, estaduais e municipais, além de investidores locais e estrangeiros.

 

Foram feitas versões impressas e em CD-rom e, para democratizar ao máximo o acesso dos interessados ao trabalho, todo o conteúdo está disponível para cópia na página da Agência na internet (www.aneel.gov.br) . A versão na internet também atende à necessidade de atualização constante dos números do setor energético. A ANEEL, porém, não dscartou a edição de mais versões impressas. A segunda edição será distribuída em 2003.

 

Por ser uma iniciativa muito recente, a ANEEL ainda não dispões de números totalizados que demonstrem a receptividade do trabalho, porém, há dados que mostram que a ANEEL prestou uma grande contribuição ao País com este produto. Se avaliarmos apenas o total de “downloads”do Atlas no “site”da Agência, vemos que o arquivo que oferece a integra do trabalho já está em 4o “lugar em “downloads”, com cerca de 14 mil acessos, somente em agosto de 2002.

 

No momento, a ANEEL tabula formulários de avaliação e sugestões, encaminhados aos que recebem trabalho impresso. A Agência utilizará as informações colhidas junto ao público para compor a segunda edição.

 

Os resultados obtidos pela ANEEL a partir da execução das estratégias de comunicação do Atlas refletiram positivamente na imagem da Agência, que vem conseguindo amplo sucesso ao promover a democratização no acesso à energia elétrica e às informações sobre o setor.  Isso também colabora positivamente para a imagem do País no exterior, justamente por ser a ANEEL a responsável pelos leilões relacionados às concessões para atuação no setor energético, dos quais muitos investidores estrangeiros participam e que, agora, passam a contar com as preciosas informações do Atlas.

 

Mas os resultados de cunho social são, certamente, os que mais saltam aos olhos, já que a ANEEL, passa a contar com um inigualável guia para seus projetos(muitos em parceria com instituições diversas, como as universidades) que objetivam garantir acesso à energia elétrica a toda a população brasileira.  O acervo da Agência guarda em  vídeo preciosos depoimentos de representantes de comunidades, das mais diversas, sobre a  revolução provocada pela implantação de projetos de geração de eletricidade(a partir de energia eólica, solar, óleos vegetais etc.) – em muitas dessas comunidades, pela primeira vez em toda a história.

Aspecto interessante desses projetos é que não se limitam a levar a energia elétrica as mais diversas localidades, instruindo a população a produzi-la. Em cada ação são observadas as características sociais e sugeridas ações que possam aprimora-las. Assim, há casos em que a partir do fornecimento de energia elétrica foi possível mudar hábitos de comunidades, antes impedidas de desenvolver atividades importantes, como estudar ou ter acesso às informações via rádio e TV. Até mesmo os cuidados com a saúde desses moradores foram melhorados. Com a energia elétrica passaram a bombear e tratar a água destinada ao consumo, o que reduziu a incidência de muitas doenças em crianças e adultos, entre outras providências.

O Atlas de Energia Elétrica do Brasil é um marco na história recente do País. Será a inspiração para o desenvolvimento de projetos que facilitarão o desafio de manter sua auto-suficiência energética, respeitando o meio ambiente e tendo como foco principal o bem-estar da população.

Fonte: Publicação distribuída pelo CONRERP/2a Região, no dia da Premiação na Assembléia Legislativa do Estado de S. Paulo. Dia Nacional das Relações Públicas, 2 de dezembro de 2002