CANAL RP

Ano III – Número 46 – 02 de outubro de 2002

Curso de Relações Públicas – Universidade Metodista de São Paulo

Núcleo de Produtos e Instrumentos de Comunicação da   

Agência de Relações Públicas – Unidade Experimental

 

NOTÍCIAS

O 3º Encontro de Pais de Alunos foi um sucesso

    O início da primavera deste ano ficou marcado na Metodista pela realização do 3º Encontro de Pais de Alunos do curso de Relações Públicas. Esse evento faz parte da Campanha Relações Paralelas, que vem sendo desenvolvida há dois anos, e tem por objetivo fazer com que a atividade profissional de relações públicas seja cada vez mais compreendida pelos alunos, pais e comunidade externa. Para atingir este objetivo, o encontro com os pais dos alunos procura demonstrar o que é a profissão, suas funções e, principalmente, discutir seu campo de trabalho, mostrando as diferentes possibilidades que os alunos têm de construir uma carreira profissional de sucesso pela prática profissional de Relações Públicas. Na realidade, o que se visa é estabelecer a "via de dupla mão" aproximando os pais da universidade e exercitando com eles um saudável diálogo para que se sintam seguros em relação à escolha de seus filhos e à qualidade do curso que lhes é oferecido na Metodista.   

    No encontro deste ano, para falar aos pais e responder as suas indagações, foi convidado o experiente profissional Raul Viana de Camargo, gerente de Assuntos Corporativos e Imprensa da Volkswagen do Brasil. Sua palestra procurou demonstrar, de maneira prática, o que é atividade de relações públicas e como as empresas dela necessitam para se relacionarem com seus públicos, mas, sobretudo, para resolverem situações de risco que podem enfrentar a cada momento e, ainda, para obterem a aprovação da sociedade para o exercício de suas atividades. A palestra foi acompanhada com muita atenção e bem acolhida pela sua clareza e objetividade.Os pais puderam admirar a competência do palestrante, que demonstrou pelo seu exemplo como o relações públicas pode ser vitorioso em sua profissão. Com efeito, Raul Viana conta com 16 anos de experiência  em comunicação empresarial e no jornalismo; ocupou cargos de gerência em empresas como a Hill e Knowlton - Consultoria Internacional de Comunicação, na Dupont da América do Sul, na Toyota do Brasil e na 3M do Brasil.

    Após a palestra realizou-se, com os 120 pais presentes, um plenário que contou com a participação da diretora da Faculdade de Jornalismo e Relações Públicas, professora Dra. Maria Aparecida Ferrari, de Raul Viana e dos professores do curso presentes no encontro. Muitas questões foram dirigidas ao palestrante e aos professores focalizando os aspectos sociais da profissão, seu campo de trabalho e as oportunidades que pode oferecer a quem opta por ela. Os pais saíram satisfeitos e elogiaram a iniciativa do curso de Relações Públicas, pois, dessa forma, podem dialogar com a Universidade e dirimir suas dúvidas quanto ao curso e à escolha de seus filhos.   

    O Encontro com o Pais foi, pela segunda vez, elogiado por Rodrigo Silveira Cogo,diretor do site Mundo RP, Santa Maria (RS), dizendo: "acredito que este projeto possa ser espalhado em outras instituições e fortalecer  a segurança dos estudantes sobre seu futuro - um passo certo para uma carreira de efetivo sucesso", conforme encontra-se no Boletim n. 112/02 - www.mundorp.com.br. Seu êxito deve-se, também, à sua coordenação feita pela professora Jocélia Maris Mainardi, acompanhada das estagiárias Juliana Cristina e Silva e Adriana Nobeschi, com o apoio dos Núcleos de Eventos e Produtos e Instrumentos de Comunicação, da Agência de Relações Públicas.

Leonardo Filoso e FF.

Outubro é o último mês de inscrição para o Prêmio Opinião Pública

    O período de inscrição de trabalhos de Relações Públicas para o Prêmio Opinião Pública 2002, coordenado pela 2ª seção regional do CONRERP – SP/PR (Conselho Regional de Profissionais de Relações Públicas), encerra-se no dia 31 de outubro. Poderão ser inscritos projetos desenvolvidos nos anos de 2001 e 2002, por profissionais da área (devidamente cadastrados em um dos Conselhos Regionais da profissão). Agências e assessorias externas, devidamente registradas, também poderão inscrever cases de seus clientes.

    O prêmio abrange 11 categorias: Relações com a Comunidade; Relações com o Público Interno; Relações Públicas Internacionais; Relações com a Imprensa; Relações Públicas para Públicos Específicos; Relações Públicas Governamentais; Administração de Crises; Eventos; Auditoria de Opinião; Responsabilidade Social; e Publicações, vídeos e filmes de caráter institucional. É obrigatório especificar em qual categoria o trabalho está sendo inscrito.

    O CONRERP faz uma pré-seleção dos trabalhos que são encaminhados ao júri para decisão final, durante os dias 11 e 14 de novembro. A solenidade de entrega do Prêmio aos vencedores acontecerá na primeira quinzena de dezembro, em São Paulo, em data a ser ainda definida.

    Com o intuito de valorizar o profissional recém-formado, durante a solenidade do Prêmio Opinião Pública,  o autor do melhor projeto inscrito no XX Concurso Universitário de Monografias e Projetos Experimentais de Relações Públicas, da ABRP – Associação Brasileira de Relações Públicas – Seção Estadual de São Paulo, receberá um certificado de reconhecimento pela sua colocação no concurso.

    Para obter mais informações, acesse www.conrerp-sp.com.br ou ligue para 0800-167853.

Mariana M. Geraldine

ABERJE anuncia II Congresso de Comunicação Empresarial

    O II congresso ABERJE tem como tema este ano A excelência da comunicação nas empresas brasileiras – as Melhores Práticas de comunicação empresarial. Será realizado no dia 23 de outubro, no espaço APAS eventos, localizado na Rua Pio XI, Alto da Lapa, em São Paulo.

    Este evento contará com a presença de alguns dos diretores das Assessorias de Imprensa vencedoras do Prêmio ABERJE 2002. Entre os temas que serão apresentados no dia, estão “Como avaliar a imagem junto à empresa” e “A realidade e tendências no relacionamento empresa-imprensa no Brasil e no mundo”.

    O congresso terá carga horária de, aproximadamente, 9 horas. O valor das inscrições é de R$550,00 para associados e de R$650,00 para não  associados.

    Para obter mais informações ligue para (11)3662-3990  ou acesse www.aberje.com.br, aberjecursos@terra.com.br.

Leonardo Filoso e Isabella Freitas

 

Avaliação Institucional exige participação de todos

    O programa de avaliação institucional é um processo permanente na Universidade Metodista de São Paulo e  vem sendo desenvolvido desde 1999, envolvendo toda a comunidade acadêmica e administrativa, pois a participação de docentes, alunos, e pessoal administrativo é fundamental para o sucesso do empreendimento, que é realizado em várias fases. 

    A avaliação vista como processo é uma reflexão que envolve toda a universidade em busca da análise consciente, livre  e profunda dos fatos, sem o estabelecimento antecipado de soluções ou do levantamento de críticas e de reivindicações contra o regime estabelecido. Sendo um esforço comum, as opiniões de todos contribuirão para se encontrar os novos caminhos a serem traçados a partir da avaliação como também para fundamentar as decisões esperadas a benefício de todos na instituição. Seguindo essa filosofia, vários resultados puderam ser  constatados, por exemplo, na avaliação ocorrida no ano 2000: a criação do fórum de coordenadores, mudanças nas instalações como reformas de laboratórios de prótese, de fotografia e de bioquímica/biologia; a ampliação do número de salas multimídia; o aumento significativo do número de computadores nos laboratórios e a construção das clínicas de odontologia e fisioterapia e do complexo esportivo e do Edifício Capa.

    Resultados ainda maiores são esperados do processo de Avaliação Institucional de 2002, que já foi iniciado, estando prevista, para o início de novembro, a aplicação dos questionários na graduação.

    O sucesso de qualquer avaliação depende da participação das pessoas envolvidas, por isso, é importante criar um programa de conscientização e de envolvimento de todos os grupos abordados. Na Metodista, o programa foi dividido em quatro fases: a de sensibilização, a da auto-avaliação interna de cada curso; a avaliação externa feita por equipe contratada e a realimentação do processo, que reflete a técnica da avaliação continuada.     

     As campanhas de promoção da avaliação já foram iniciadas desde o final do I Semestre e continuam intensas hoje na expectativa de se conseguir participação e adesão de todos ao processo.

  Rogério G. de Oliveira, FF.

 

RP EM FOCO

Mudanças no currículo entusiasmam os estudantes de RP

    O curso de Relações Públicas da UMESP completa 30 anos de existência neste ano e há muitos motivos para se comemorar. Desde que foi instituído, em 1972, o curso já sofreu algumas alterações relevantes em seu currículo. Na primeira carga horária, por exemplo, não havia a necessidade da realização de projetos experimentais, mas, atualmente, eles são fundamentais para a formação do aluno, além de serem indispensáveis para a obtenção do título de Bacharel em Relações Públicas.

    Em 1985, houve nova mudança, e disciplinas como Administração e Expressão Oral foram introduzidas. Também foi a partir desta mudança que os projetos experimentais foram incorporados à grade curricular.

    Mas as mudanças não pararam por aí. A UMESP, tentando se adequar aos desafios do mercado de trabalho e às novas tendências na área da comunicação, iniciou, em 2000, um processo de atualização de sua grade curricular. A intenção é possibilitar ao estudante um contato com conhecimentos que tornem o exercício da profissão mais dinâmico e eficaz.

    Além das disciplinas básicas, o curso de Relações Públicas conta agora com uma formação mais voltada para a ética e a cidadania. Estas mudanças visam o aprimoramento da função crítica do relacionista e incentivam uma integração maior entre ele e outros profissionais da área da Comunicação. Exemplo disso é a inclusão de disciplinas como Pesquisa de Opinião Pública, Gestão estratégica de Relações Públicas, Relações Públicas e Consumidor, Imprensa e Relações Públicas, Relações Públicas empresariais e Terceiro Setor, entre outras.

    O conteúdo das aulas é mais prático, e os professores recorrem mais ao uso de novas tecnologias de comunicação e informação, como computadores, sites da Internet com o objetivo de facilitar o entendimento das matérias e tornar o aprendizado mais ativo. Com isso, oferecem ao formando a oportunidade de interagir com um mercado tão competitivo, cada vez mais seletivo e exigente.

    Outra novidade na grade curricular são as disciplinas eletivas. De estrutura flexível, adaptam-se ao interesse do aluno que procura aprofundar-se no conhecimento de diferentes temas, como, por exemplo, teatro e política.

    As inovações do curso de Relações Públicas são uma resposta às exigências do mercado de trabalho e às novas diretrizes propostas pelo MEC, as quais visam adequar a formação acadêmica do relações-públicas ao contexto globalizado das relações comerciais e culturais contemporâneas.

    Desta forma, a Universidade Metodista de São Paulo acredita que está preparando profissionais de alto nível, dotando-os de formação teórica e prática que os levem a desempenhar bem suas atividades dentro de qualquer organização.

Isabella Lopes H. de Freitas

Desmistificando as Relações Públicas

    Relações Públicas é um importante instrumento de comunicação e a melhor maneira de influenciar os públicos específicos, planejando a comunicação corporativa e gerenciando crises. Relações públicas são toda a administração da reputação de uma organização.

    Na maioria das vezes, o relações-públicas é visto como representante comercial ou aquele que apenas organiza eventos. Mas as Relações Públicas são o elo da comunicação interna, utilizando instrumentos diferentes para situações diferentes, com enfoque voltado à legitimação da organização.

    O relacionista está ligado à alta administração e tem hoje o papel de estrategista dentro da organização, fazendo campanhas institucionais de resultados não imediatistas, visando reforçar o comportamento positivo dos públicos em relação à empresa e mudar o comportamento contrário, agregando valores intangíveis. 

    A maior empresa de Relações Públicas do mundo fatura só na cidade de Nova York um pouco mais que o faturamento de Relações Públicas no Brasil inteiro, algo em torno de US$ 50 milhões por ano. Outro fato assustador é que apenas 0,6% do investimento do mercado brasileiro de propaganda é destinado às Relações Públicas.     

    Mas a profissão está em grande processo de evolução e crescimento, não apenas no Brasil como em todo o mundo. Mesmo assim, ainda não é compreendida em sua totalidade, principalmente na América Latina, onde os investimentos em relações públicas são bem menores se comparados ao que é gasto em Propaganda, principal instrumento de divulgação utilizado pelas empresas.

(Fonte: Gazeta Mercantil, 9 de abril de 1999).

Guilherme Mendes e Rafael Baggio

 

ARTIGO

RELAÇÕES PÚBLICAS NA INTERCOM II

Contribuição da Intercom para a profissão

Com o objetivo de analisar a contribuição da Intercom para o estudo das relações públicas, comentamos na edição anterior a primeira parte das palestras do Congresso Intercom 2002 sobre Relações Públicas. Hoje os comentários versam sobre os trabalhos do dia 5 de setembro, quando foram apresentados na Sessão IV cinco trabalhos.

    A Mesa-redonda da Sessão IV teve por título “Atividade e papel atual das relações públicas” e foi coordenada pela profissional Elisabeth Brandão (IESB/DF). A primeira expositora foi Mirtes Torres (UMESP), que rememorou os primórdios da atividade no país com o tema “Eduardo Pinheiro Lobo – pioneiro das relações públicas no Brasil”. O propósito do trabalho é compreender a institucionalização da profissão a partir do resgate de suas raízes e da memória daquele que é considerado o introdutor da atividade entre nós.

    Edilene do Amaral Ferreira (UNIVALI) trouxe o tema “A atividade de relações públicas sob enfoque ecológico” no qual explica as inter-relações das organizações com seus públicos e a sociedade, vendo nessa interdependência oportunidades de parcerias que propiciem melhor qualidade de vida para os seres humanos mediante o estabelecimento de equilíbrio na inter-relação com o meio ambiente, natural ou artificial.

    “O espaço das relações públicas no cenário da comunicação política” foi o estudo da expositora Souvenir Maria Graczyk Dornelles (FAMECOS/PUC/RS). O trabalho parte do pressuposto de que em uma sociedade estruturada pela informação e comunicação a comunicação política passou a ser mais utilizada, a ter maior visibilidade e ênfase no processo de formação da opinião pública e, portanto, essa nova configuração das relações sociais abre mais espaço para o trabalho profissional.

    O quarto tema introduziu uma polêmica sempre renovada “Papel e atuação de jornalistas e relações públicas em uma organização, segundo os jornalistas”. Seus autores: Márcia Yukiko Matsuuki Duarte (UCB/DF-SENADO) e Jorge Duarte (CEUB/EMBRAPA/DF). Respaldados pelo testemunho de 262 jornalistas de quatro capitais brasileiras, os autores que não ouviram os relações-públicas, concluíram que os jornalistas, em sua maioria, não conhecem a atividade de relações públicas e julgam que são mais responsáveis pela formação da imagem da organização do que pela informação ao público.

    A Sessão IV encerrou-se com a exposição da professora Dra. Maria Aparecida Ferrari (UMESP), que apresentou trabalho intitulado “Os efeitos dos valores organizacionais na determinação da prática e do papel dos profissionais de relações públicas – estudo comparativo entre organizações do Brasil e do Chile”. Segundo a autora, o estudo tem por objetivo examinar a importância dos valores organizacionais na prática das relações públicas e no desempenho dos profissionais que gerenciam a área, buscando verificar as conexões entre cultura e comunicação, dois elementos importantes para o funcionamento das organizações. Os resultados obtidos revelam que organizações com culturas de características autoritárias disseminam valores assimétricos e conservadores produzindo uma comunicação reativa e de baixo relacionamento. Por outro lado, organizações que pertencem a setores econômicos vulneráveis, seja por seus produtos ou serviços, sofrem pressões de diferentes segmentos da sociedade e tratam de manter uma comunicação positiva e interativa para minimizar problemas e reforçar seus pontos positivos.

    A análise do temas citados permitem concluir por dois momentos importantes: a busca das raízes da profissão no Brasil e, sobretudo, a análise mais profunda da atividade  e do ser exercício em grandes organizações de países diferentes. Os três outros trabalhos situam-se no campo da prática profissional e do uso dos instrumentos de relações públicas nos relacionamentos políticos, com a imprensa e na abordagem ecológica, campos normais da ação profissional.

    Novos comentários sobre a contribuição da Intercom para relações públicas na próxima edição deste boletim.

Professor Fábio França

 

Curso de Relações Públicas da Universidade Metodista de São Paulo

30 Anos

Tradição – Ética – Excelência

 

Para receber o Canal RP, envie um e-mail para

canalrp@metodista.br

 

Expediente 

O Canal RP:
informativo eletrônico produzido pelo Núcleo de Produtos e Instrumentos de Comunicação da Agência de Relações Públicas Unidade Experimental da Universidade Metodista de São Paulo (Umesp). Seu objetivo é divulgar e promover a atividade profissional, tendo como referencial a qualidade UMESP e seu curso de Relações Públicas.

Equipe de Produção

Editor: Professor Ms. Fábio França (MTB1880)
Revisão:
Professora Débora Marie Tamayose
Equipe de Redação:
Bruno Crepaldi Rossini, Daniel Kazuiti Kaga, Edson Rafael Baggio, Guilherme Mendes, Isabella Lopes H. de Freitas, Leonardo Filoso, Mariana de Marco Geraldine e Rogério G. de Oliveira
Coordenador do Núcleo de Produtos:
Prof. Ms. Fábio França CONRERP SP/PR-586

FACULDADE DE JORNALISMO E RELAÇÕES PÚBLICAS

Diretora e Coordenadora do curso de Relações Públicas: Profa. Dra. Maria Aparecida Ferrari


E-mail: canalrp@metodista.br 

 

E-mail: agenciarp@metodista.br  

 

Este boletim é enviado para as pessoas cadastradas. Inclui indicação para ser removido. Portanto, não pode ser considerado SPAM e está de acordo com a nova legislação sobre correio eletrônico, Seção 301, Parágrafo (a)(2)(c), Decreto S.1618, Título Terceiro, aprovado pelo “105º Congresso Base das Normativas Internacionais sobre o SPAM”.

 

Para não receber mais o Canal RP, basta enviar um e-mail em branco para canalrp@metodista.br