Notícias


Jornada de Iniciação Científica
acolheu trabalhos de relações públicas

Entre os 197 trabalhos apresentados na 2a. Jornada de Iniciação Científica, realizada na UMESP, quatro que foram apresentados por alunos do curso focalizaram a atividade de relações públicas. A temática desses trabalhos pode ser analisada abaixo, juntamente com os dados de suas fichas técnicas.

- Semana de 22: ruptura artística - feito pelas alunas Danielle Serradilla Miguez, Gláucia Heydi C. de Souza, Giselle Silva Schuster, Paloma Parga Costoya e Camila Teixeira Soares
Apresentação: Camila Teixeira Soares
Orientação: Prof. Dr. Dalmo de Oliveira Souza e Silva
Eixo temático: Linguagem, comunicação e sociedade

- A Responsabilidade Social e as empresas - elaborado pelas alunas Roberta Gomes, Anneliese Helga Daamen, Camila Batista Justti, Milena Maretti Cardoso Silva e Rose Marina Mendes da Fonseca
Apresentação: Roberta Gomes
Orientação: Profa. Ms. Andréa Pereira de Melo
Eixo temático: Processos Comunicacionais

- As personalidades da cerveja - trabalho das alunas Luciana Rodrigues Infanti, Amanda Juliana Biscaro, Carla Tomie Ishikawa, Tatiana Tavares Santos e Aline Cardoso
Apresentação: Luciana Rodrigues Infanti
Orentação: Profa. Ms. Andréa Pereira de Melo
Eixo temático: Processos Comunicacionais.

- Qual é a cara da inteligência? – desenvolvido pelas alunas Eliane Monteiro Negri, Ligia Previatti Auricchio, Luciana Vissechi e Márcia de Paula Teotônio
Apresentação: Ligia Previatti Auricchio
Orientação: Profa. Ms. Andréa Pereira de Melo
Eixo temático: Linguagem, Comunicação e Sociedade.

 

Projetos Experimentais de Relações Públicas
participam de concursos nacionais

Quatro dos melhores Projetos Experimentais de RP do ano de 2002 foram inscritos no concurso Expocom/Intercom e na competição de Monografias e Projetos Experimentais de Relações Públicas, da Associação Brasileira de Relações Públicas. Assim, concorrerão nacionalmente os projetos: Supermercado Pastorinho – Vila Mariana (Agência Fortius); Frigorífico Cardeal (Agência Insight); Recicle Milhões de Vida (Agência Link) e Zôo Safári de São Paulo (Agência Produto Brasileiro). Vamos torcer para que saiam vencedores!

RP on-line

Sucesso na profissão: por que não em Relações Públicas?

A revista Veja (ano 36, n. 22, 4 de junho de 2003, matéria de capa) publicou interessante estudo sobre as profissões, o que as caracterizam, o que exigem dos profissionais, como e onde podem ser exercidas e qual a previsão de ganho de cada uma. Pena que a revista tenha se esquecido de que, no dizer de Al Ries e Laura Ries, vivemos uma época de “ascenção das relações públicas”. Não mereceria também ser considerada na matéria como uma profissão de sucesso? Trata-se de uma profissão devidamente regulamentada, tendo o seu Conselho Federal e os Conselhos Regionais organizados de acordo com a lei e ainda 66 faculdades que oferecem oportunidade de estudo da atividade no Brasil: 30 do Sudeste, 21 no Sul, 4 no Centro-Oeste, 7 no Nordeste e 4 no Norte.

 

Aproveite os congressos para sua atualização profissional

Prêmio Expocom 2003. Muitos estudantes e pesquisadores da comunicação estão se preparando para enviar ao próximo congresso da Intercom trabalhos que realizaram durante o ano de 2002.
O evento será realizado de 2 a 6 de setembro, em Belo Horizonte, e vem comprovar a importância de congressos que reúnem profissionais, estudantes, professores e pesquisadores interessados em conhecer os avanços e as tendências do estudo da comunicação no Brasil. O tema deste ano - “Mídia, Ética e Sociedade” - representa uma amostra da abrangência de assuntos e discussões que terão lugar no congresso.
Para o estudante da área de comunicação e de relações públicas, trata-se de excelente oportunidade de aprimoramento de seus conhecimentos também fora das salas de aula. Freqüentar eventos como a Intercom contribui para valorizar o contato com as novas descobertas no campo da comunicação e a troca direta de informação com profissionais de outras universidades e, ainda, para que os jovens continuem a compor sua rede de relacionamentos acadêmicos e seus contatos com o mercado de trabalho.

Isabella Lopes H. de Freitas
Estagiária do II semestre

 

Mudanças de paradigmas empresariais
exigem atenção dos relações-públicas

Paradigma é um modelo, padrão a ser seguido pela sociedade. E a organização é considerada uma micro-sociedade, sujeita também às mudanças que ocorrem no mundo globalizado. Dessa forma, as empresas têm de ser flexíveis e estar atentas para o que possa alterar os paradigmas organizacionais.

Sabe-se que, hoje em dia, as transformações ocorrem de maneira rápida, devido aos avanços tecnológicos que permitem que as informações sejam dissipadas em tempo cada vez menor. Contudo, aquele paradigma que era válido há pouco tempo talvez já não tenha mais o mesmo valor. Por exemplo, os relógios suíços eram considerados os melhores do mundo e, no entanto, perderam a posição para a indústria japonesa, que inovou o mercado ao passar a produzir relógios digitais. O próprio Japão era considerado sinônimo de indústria de má qualidade, mas tornou-se hoje uma potência mundial de tecnologia de ponta, e seus produtos são símbolos de qualidade e comercializados em todo o mundo.

Esses exemplos demonstram que o profissional de Relações Públicas, como responsável pelos relacionamentos da organização com seus públicos, deve estar sempre ligado aos acontecimentos e às mudanças que acontecem dentro da própria empresa. Ou seja, as mudanças de paradigmas exigem profissionais de relações públicas bem preparados e capazes de atuar de maneira eficaz dentro das organizações globalizadas.

Daniel Kazuiti
Estagiário do III semestre


Resenha

Margarida Kunsch relança livro


A Summus acaba de relançar Planejamento de relações públicas na comunicação integrada, de Margarida M. Krohling Kunsch, pesquisadora da ECA-USP, onde coordena o curso de graduação lato sensu em Relações Públicas e Comunicação Organizacional. A autora, que foi presidente da Intercom - Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação - em duas gestões, é atualmente presidente da Alaic - Asociación Latinoamericana de Investigadores de la Comunicación.

Em sua quarta edição, revista, atualizada e ampliada, a obra é, na verdade, totalmente nova. Foram muitas as mudanças efetuadas na estruturação e no conteúdo da versão original, de 1986. Incorporaram-se novos conceitos e as contribuições de uma rica bibliografia produzida desde então. Os capítulos passaram de cinco para nove, e as 171 páginas iniciais foram aumentadas para 420.

O livro aborda conceitos fundamentais sobre organizações, planejamento estratégico da comunicação e planejamento de relações públicas. Busca absorver conhecimentos acumulados pelas áreas de Administração e Comunicação, aplicando-os à comunicação organizacional. Demonstra que “os profissionais de relações públicas, como gestores dessa comunicação, devem utilizar métodos científicos, agregando valor às suas atividades e contribuindo para que as organizações assumam sua responsabilidade corporativa e pública”.

Desde o final da década de 1970, Margarida defende que as relações públicas têm de atuar dentro de uma a filosofia de “comunicação integrada”, interagindo com as outras áreas da Comunicação Social. Com isso, tentava vislumbrar novas perspectivas para a atividade, “que não pode isolar-se em si própria”. Surgiria daí a primeira edição do livro, em que ela apresentava esse conceito, agora aperfeiçoado na nova edição.

Depois ela publicaria mais duas obras abordando a necessidade de canalizar a sinergia entre as diversas áreas da comunicação. A mais conhecida é Relações públicas e modernidade: novos paradigmas na comunicação organizacional (Summus, 1992). Contribuiu, assim, para a consolidação desse conceito de “comunicação integrada”, hoje adotado por outros autores e por assessorias que oferecem serviços integrados de imprensa, relações públicas, propaganda e promoção mercadológica.

“Em pleno início do terceiro milênio, chegou o momento de as relações públicas, no Brasil, assumirem uma postura estratégica como campo acadêmico e profissional”, diz Margarida. Como um subsistema no contexto institucional, essa área “deve exercer suas funções essenciais e específicas de forma devidamente fundamentada, teórica e tecnicamente, valendo-se de teorias já testadas”, salienta a autora.

Para adquirir o livro, pode-se contatar a própria Summus, através do site http://www.summus.com.br, ou, dentro da UMESP, a Livraria Direta.

Prof. Dr. Waldemar Kunsch


Expediente

O Canal RP: informativo eletrônico produzido pelo Núcleo de Produtos e Instrumentos de Comunicação da Agência de Relações Públicas Unidade Experimental da Universidade Metodista de São Paulo (UMESP). Seu objetivo é divulgar e promover a atividade profissional, tendo como referencial a qualidade UMESP e seu curso de Relações Públicas.


Equipe de Produção

Editor: Professor Ms. Fábio França (MTB1880)
Revisão: Professora Ms. Débora Marie Tamayose e João E.Teixeira.
Equipe de Redação: Ana Lúcia Molina, Daniel Kazuiti Kaga, Isabella Lopes H. de Freitas, Leonardo Filoso, Leonardo Godoy, Marcus Vinícius Machado.
Coordenador do Núcleo de Produtos: Prof. Ms. Fábio França CONRERP SP/PR-586
FACULDADE DE JORNALISMO E RELAÇÕES PÚBLICAS
Diretora e Coordenadora do curso de Relações Públicas: Profa. Dra. Maria Aparecida Ferrari

E-mail: canalrp@metodista.br

E-mail: agenciarp@metodista.br